Diretor de criação: mas afinal, de que tipo é o teu?

Finalmente, tenha em mente, também, que um bom diretor de criação, para alguns tão-somente um mal necessário, deve ser minimamente um encantador de platéias seja em qual for o circuito — o que é bem diferente de ser rei do chaveco ou mano do gogó ou tati-bate da diretoria. Você pode e deve, fazê-los acreditar no poder das idéias. Sempre. Ainda mais se tiverem realmente alguma direção. Quem não se auto-convence não vence a batalha das mentes onde o preconceito torna-se o lugar comum que habita a própria agência. O exercício do convencimento é constante. E tanto melhor se contiver pressupostos honestos, sem shows-off. Pois nada impede que você seja honesto e criativo e alcançe resultados. como nos disse o filósofo, trocentos anos AC: ” as coisas não se tornam dificéis porque ousamos. As coisas tornam-se difíceis porque não ousamos”.

E então? diretor de criação: é você o cara ou qual é a cara do teu ?

**Existem ainda nomeclaturas do tipo creative chief wideworld (diretor criativo mundial ou da rede); geográficas: diretor europeu, asiático, para as américas, península ibérica etc, de criação e até diretor criativo adjunto ou ajudante de obras do tipo supervisor criativo com ou sem cargo de presidência, vice- presidência, etc. Se você fizer um bom trabalho como diretor de criação vai ter tanta importância e grana quanto o presidente na maioria dos quadros. Algumas vezes até mais. Ainda é assim. Pelo menos com diretores que dirigem pra valer. E não simples, se muito, co-pilotos. Contudo algumas nomeclaturas são despromoção mesmo, ao contrário do que parecem. Criadas para burocratizar espíritos considerados por demais irriquietos ou paradoxalmente que já não tem pedalada para subir ladeira carregando pedra atrás da idéia. Dislexias outras de organogramas, em estruturas que tem centenas de escritórios e atendem contas da Procter, por exemplo, que adoram isto. Mas não se deixe enganar: na hora do vamos ver, o Creative Chief Wideworld lá da Madison ou de Sidney, não tá nem aí pro que você está fazendo enquanto Diretor de criação. Se você fizer merda, leia-se não aumentar a cotação das ações, nem memo dele recebe.E demitido localmente mesmo.

Salvo nos task force, raros, ou na hora que você tem ouro pra receber em Cannes. aí sim, eles aparecem. Papagaios de pirata, relembrando os insights que nunca deram naqueles encontros anuais auxílio luxuoso do dinheiro, aos diretores criativos.

Portanto, não se esqueça que antes de eles serem seus diretores e você diretor dos outros, é você diretor de sí mesmo. Seja implacável então na gestão das idéias e sua produção. O mais autêntico e ousado que puder. Consciente ou maluco o suficente para saber que o lhe espera não é nada agradável de modo a não afrouxar a postura até porque” cada vez que eu como diretor dou uma idéia para a criação crio no minimo dois ingratos e dezenas de inimigos”.

Apesar disso ou de tudo, sinceramente torço para que o faça. Qualquer mercado todo só teria a ganhar. Até mesmo os feitos por gente que discorda, muxoxa, ou enraivecem-se só de pensar.

In tempo: não vá cometer a bobeira de pensar de que uma vez lá, você é Diretor de Criação para sempre. Você, apenas está Diretor de Criação. O que você dever ser para sempre é publicitário. Criativo de preferência, seja qual for o seu cargo, função ou atividade.

autor: Celso Muniz
fonte: Acontecendo Aqui

Assine Nossa Newsletter • Se você deseja receber as novidades do IFDBlog por email, insira o seu logo abaixo:

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *