O que você lucra tendo bom relacionamento

Um dos patrimônios mais preciosos que podemos ter são as pessoas que conhecemos e com as quais nos relacionamos.

Seja você quem for, esteja onde estiver, se investir parte do seu tempo e da sua energia conhecendo pessoas e se relacionando com elas, abrirá portas que poderão levá-lo à realização de tudo o que desejar.

Há pouco tempo fui convidado para uma conversa com os diretores da Fecap, a mais tradicional faculdade de economia do país e uma das melhores escolas de Administração de Empresas do Brasil.

O objetivo do encontro foi o de me entregar um exemplar da revista comemorativa do centenário da instituição e dizer que eu fora um dos ex-alunos citados na edição.

Fiquei emocionado ao atravessar a porta da faculdade. Eu voltava para aquela instituição de ensino como um convidado. Afinal, para concluir os dois cursos superiores, de Ciências Econômicas e de Administração de Empresas, tive de superar muitos desafios.

Com dinheiro contado, que mal dava para pagar a pensão e a mensalidade escolar, muitas vezes fui obrigado a ir do trabalho para a faculdade sem comer e pendurado na porta dos ônibus. Por isso, me emocionei ao retornar àquele local após 32 anos.

Vendo a minha foto tomando quase uma página inteira comecei a rir. Um dos diretores me perguntou o que havia de engraçado naquela matéria, se era algo relacionado com o tempo em que freqüentei aqueles mesmos bancos escolares.

Contei a ele rapidamente a história. Eu era bastante jovem quando saí de Araraquara, onde nasci e fui criado, e rumei para a capital de São Paulo tentando a transferência de faculdade. Entretanto, cheguei atrasado e bati com o nariz na porta, pois as inscrições já estavam encerradas.

Depois de ouvir do próprio secretário da faculdade que para aquele ano não havia nenhuma possibilidade de transferência, fiquei resignado e consciente de que só me restava pegar a mala e retornar.

Mauro Eid, que era o pai da minha namorada, trabalhava no Citibank e, por causa da sua atividade profissional, tinha um bom relacionamento com o gerente-geral da Arthur Andersen, Renato Costivelli. Um dia me convidou para ir com ele visitar o amigo na empresa de consultoria, que ficava no centro velho de São Paulo.

Costivelli nos recebeu muito bem e disse que já no ano seguinte poderia me contratar como estagiário. Aquela notícia que deveria ser motivo de alegria me deixou ainda mais desapontado. Afinal, sem a transferência para a faculdade eu não poderia ficar na Capital e perderia também a chance de estágio.

Enquanto eu comentava com ele sobre a impossibilidade de me matricular, um dos sócios da empresa, descendente de orientais, entrou na sala e ficou ouvindo nossa conversa. No final, Costivelli olhou para o sócio e perguntou: e aí, você pode fazer alguma coisa pelo garoto?

Sem hesitar, ele tirou um cartão de visitas do bolso do paletó e me disse: “Sou professor da faculdade há muitos anos e temos um ótimo relacionamento. Entregue este cartão ao Pardini e diga
que eu pedi para atendê-lo”.

O próprio Pardini, que era o secretário da escola, havia dito que o período de transferências estava encerrado. Por isso, foi sem nenhuma esperança que peguei o cartão e agradeci ao seu gesto simpático. Sem ter o que perder, voltei à faculdade e entreguei o cartão ao secretário.

Pardini ficou uma onça de bravo e subiu pelas paredes. Sem olhar para mim começou a praguejar enquanto andava de um lado para o outro da sala com o cartão de visitas na mão: esses caras querem me matar. Como é que eu posso abrir a matrícula para você se não existe mais nenhuma vaga? E ironizando, com os olhos voltados para o teto, falava entre os dentes: só se eu enfiar você num canto desta secretaria.

No final, para grande surpresa minha, ele abriu um largo sorriso e me disse: será um prazer recebê-lo na nossa faculdade. Não posso dizer não a um pedido como este.

Eu saí de lá tão atordoado que fiquei um tempão sentado na calçada tentando entender o que ocorrera. Nem sabia o nome do sócio do Costivelli que havia resolvido o meu problema. Aprendi muito cedo, entretanto, que ser bem relacionado vale tanto quanto o conhecimento que adquirimos ao longo da vida.

Mauro Eid conhecia o Renato Costivelli, que conhecia seu sócio e professor da faculdade, que conhecia o Pardini e por causa desse relacionamento resolvi um problema que mudou totalmente meu destino.

Hoje, mais que nunca, se torna ainda mais importante ter uma extensa rede de contatos para o sucesso da carreira e da projeção social. Ser bem relacionado significa abrir portas para uma vida mais descomplicada, mais fácil, melhor.

Por isso, saia da toca, circule, conheça gente nova, resgate velhos contatos, vá a lugares onde possa ver e ser visto por pessoas interessantes. Amplie suas amizades.

Mesmo que você não conheça pessoas que saibam como resolver determinada questão, com um relacionamento mais extenso, as chances de que alguém abra as portas certas se ampliam.

Não perca a oportunidade de participar dos eventos que envolvem profissionais ligados à sua atividade. Você só terá benefícios e multiplicará suas chances de conhecer novas pessoas e de reencontrar velhos amigos.

Reforce a quantidade de cartões de visita e acrescente novos nomes na sua agenda de endereços e telefones. Amplie suas possibilidades de ver e ser visto.

Falando em cartões de visitas, não existe nada mais prático e eficiente do que esse antigo recurso para estreitar o relacionamento. Por isso, ande sempre com um bom estoque deles na carteira.

Nem preciso dizer que deve tomar cuidado para não sair por aí distribuindo cartões como se fossem panfletos publicitários. Eles devem ser entregues com critério e bom senso, isto é, quando o contato com a pessoa for mesmo efetivado.

É desagradável quando uma pessoa transita por um evento distribuindo cartões a qualquer um que passe pela sua frente. Às vezes a falta de critério é tamanha que alguns chegam a entregar mais de um cartão para a mesma pessoa. Essa atitude ao invés de aproximar acaba afastando as pessoas.

Alguns contatos são tão importantes que vale a pena dedicar a eles atenção especial. Por exemplo, antes de entregar o cartão, anotar a mão no verso o número do seu celular ou da sua residência. Essa atitude será uma demonstração de como você considera a pessoa.

Aproveite o verso do cartão para registrar depois do encontro tudo o que souber a respeito da pessoa. Escreva especialmente o nome de quem a apresentou a você e o local onde se conheceram.

Guardar o nome das pessoas também é fundamental para se relacionar bem. Se quiser saber mais sobre cartões de visitas e como guardar o nome das pessoas, clique aqui e leia o texto que escrevi sobre esse assunto.

O e-mail pode ser um poderoso aliado para ampliar e estreitar relacionamentos. Logo depois de ter conhecido uma pessoa, procure encontrar um motivo para mandar um e-mail a ela. Redija uma mensagem simples e curta, apenas para marcar presença e fazer com que ela não se esqueça de você.

Para não parecer uma atitude invasiva, durante a conversa avise que enviará um e-mail dando algum endereço ou complementando algum tema que tenha surgido naquele momento. Assim, ao receber sua correspondência a pessoa entenderá como uma iniciativa natural, já que você estará cumprindo uma promessa feita.

Você precisa ser sincero. Ter bom relacionamento não significa manter contato com pessoas para se aproveitar do fato de conhecê-las. Para que um relacionamento seja interessante é preciso existir uma troca, em que você e a pessoa com a qual passou a manter contato se sintam à vontade para continuar conversando, correspondendo-se e apresentando novas pessoas que conheçam.

Procure ser útil às pessoas que conhecer, pondo seus contatos e informações à disposição delas. Pode ter certeza de que os outros procurarão fazer o mesmo por você.

Não existe nada mais repulsivo do que perceber que uma pessoa só se aproximou tentando estreitar o relacionamento para levar algum tipo de vantagem. Agindo com transparência e sinceridade, se no futuro um precisar da ajuda do outro, naturalmente o auxílio será prestado.

Conhecer e se relacionar com outras pessoas sem “segundas intenções” proporciona alegria incomparável. Você ficará surpreso ao verificar como a vida se torna mais interessante e as possibilidades de novos projetos surgem com maior facilidade. Não custa nada, dá muito prazer e é extremamente motivador.

autor: Reinaldo Polito
fonte: UOL

Assine Nossa Newsletter • Se você deseja receber as novidades do IFDBlog por email, insira o seu logo abaixo:

 
Postado em:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *