Web design a granel

Em dezembro de 2006, uma amiga de faculdade me procurou. Ela queria me apresentar a empresa na qual trabalha: uma produtora de vídeo, especializada na área de turismo.

Essa empresa eventualmente fornece pseudo-serviços de web design para quem anuncia com ela, ou seja, oferece uma espécie de brinde, que não agrega valor nenhum à marca desses anunciantes.

Na verdade, o que se verifica como brinde é o típico “site a granel”, que lota a internet de “bolinhas saltitantes e musiquinhas medonhas do tipo putz-putz”. O curioso é que muitas dessas empresas vêem esses artifícios tão óbvios como criação.

De acordo com a diretora, a empresa pretendia renovar a equipe de profissionais, isto é, desejava contratar um pessoal que pudesse desenvolver sites diferenciados e mais criativos.

Depois de alguma conversa em que pude manifestar minhas opiniões sobre o assunto e apresentar sugestões, veio a típica proposta “sobrinho”: a diretora me pediu um custo razoável para sites com 3, 5, 10 e 15 páginas.

Ora, o trabalho de um web designer envolve muito mais do que simples custo. Como mensurar valores, sem saber a real necessidade de um cliente, o que realmente o público-alvo dele gostaria de ver? Como criar sites diferenciados e mais criativos, sem conhecer a missão e os valores da empresa, o que o nome ou a marca dessa empresa representa para o mercado? Enfim, até quando os profissionais que desenvolvem projetos de publicidade para a internet vão aceitar esse tipo de serviço? Por quanto tempo, você, web designer , vai se sujeitar a trabalhar para empresas que querem pessoas criativas, mas que, na verdade, estão pouco se lixando para sua criatividade?

O que essas empresas querem vender é um desenho bonitinho, a um custo quase zero!

Cuide de sua marca, de seu nome, de seus valores, fuja do “web design a granel”.

Hoje é possível desenvolver projetos de pequeno porte para internet, conceituados, com estudo de usabilidade e arquitetura da informação, principalmente para atender às necessidades de pequenas empresas, profissionais liberais e autônomos que precisam do primeiro site, a um custo justo.

Um verdadeiro web designer nunca irá responder a esta pergunta: “Quanto custa um site?”.

Diante disso, sugiro que a pergunta seja refeita: “Como você pode ajudar a mostrar os valores, as idéias, os serviços e produtos de minha empresa, por meio da internet, de forma clara e objetiva para meu público-alvo?”.

Foi com uma nova pergunta que respondi às questões da diretora, porém não obtive a resposta.

autor: Wanderley Marmmelo
fonte: Apus

Assine Nossa Newsletter • Se você deseja receber as novidades do IFDBlog por email, insira o seu logo abaixo:

 

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *