Identidade é coisa séria

Na edição 737 do dia 23 de novembro de 2011, a ISTO É Dinheiro publicou duas matérias na área de negócios. A primeira se encontra nas páginas 60 e 61, abordando a campanha de propaganda da Benetton denominada Unhate. Nas peças podemos ver o presidente americano Barack Obama, beijando o líder venezuelano Hugo Chávez, em outra peça, o principal líder da igreja católica, papa Bento XVI, lascando uma beijoca na boca de nada mais nada menos do que uma autoridade religiosa dos mulçumanos.

Newsletter

Se você deseja receber as novidades do IFDBlog por email, insira o seu logo abaixo:
 

Na página 62, sob o título “A roubada da Lego”, você poderá ler uma dura crítica a um produto da linha City que traz na embalagem, a imagem dos bonecos assaltando caixas eletrônicos. Segundo a ISTO É Dinheiro, o executivo da distribuidora oficial da Lego no Brasil, se defende dizendo: “A linha City quer retratar todo o meio urbano sem jamais incitar a violência – o que está acontecendo é um equívoco na interpretação”.

De um lado temos uma marca que traz em sua identidade, uma personalidade provocadora. É uma marca que ficou em evidência pelas famosas campanhas audaciosas e questionadoras. Não estou aqui julgando o que é certo ou errado na gestão desta marca. O fato é que ninguém toma um susto quando vê uma campanha como a Unhate, se ela está assinada pela Benetton. Ser polêmico é um valor da personalidade desta marca, mas infelizmente, segundo a reportagem, os resultados de lucro e crescimento da Benetton vêm declinando desde 2004.

Existem muitos fatores que afetam o resultado financeiro de uma empresa. A marca é uma delas, mas não quero, neste artigo, analisar o impacto das campanhas da Benetton no lucro do negócio. Minha intenção é provocar uma reflexão, sobre a importância da definição clara, do que se deseja construir com uma marca. Qual é a sua identidade, seus valores e atributos diferenciadores e consequentemente, a imagem que as pessoas irão formar pelas suas percepções.

A marca é um componente estratégico na definição do valor de um produto, serviço e empresa. Ela pode influenciar o comportamento de consumidores, tanto para o bem como para o mal. Olhar apenas o lado comercial, ao lançar um produto que nasce com a credencial de uma marca já conhecida, é um equívoco. Também é um erro afirmar, como fez o executivo da distribuidora da Lego no Brasil, que houve um erro de interpretação. A definição da identidade de uma marca é função do marketing e dos gestores da mesma, mas a imagem que se forma na mente dos consumidores, não necessariamente, corresponde aos valores e atributos estabelecidos no planejamento desta identidade.

Estabelecer um posicionamento alicerçado em uma consistente matriz de identidade é capaz de influenciar positivamente a vida de pessoas e consequentemente contribuir para o resultado das vendas. Isto é verdade, mas é necessário planejar este posicionamento e gerenciar, em todos os pontos de contato da marca com seu público, o conteúdo do que pode influenciar sua imagem, ou seja, sites, embalagens, propaganda, força de vendas, atendimento telefônico, lojas revendedoras, entre outros, dependendo do tipo de negócio no qual a marca está inserida.

É muito comum que o profissional responsável pela gestão de um produto, depois de planejar as definições estratégicas que envolvem a marca, em função da pressão por resultado de vendas, deixar para um segundo grau de importância, o compromisso de gerenciar e resguardar os itens que constituem sua identidade.

Os valores e atributos são pilares fundamentais na construção de uma marca. É um conjunto de traços culturais, morais e ideológicos que definidos de maneira coerente, podem conferir a um produto, serviço ou corporação, uma qualidade capaz de despertar admiração e, no caso de bens de consumo, disposição para compra.

Independentemente da estratégia mais ousada ou conservadora, da identidade de marca a ser adotada, é essencial conduzir o desenvolvimento de produtos e o trabalho comercial, totalmente comprometido com a imagem almejada. Lembre-se que o resultado de vendas é medido em curto prazo, mas a reputação de uma marca leva anos para ser construída, e pode ser tremendamente comprometida se a sua linha do tempo se restringe a meta de vendas do mês.

autor: Gerson Ferreira
fonte: Acontecendo Aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *