Como as marcas na China estão respondendo às expectativas dos consumidores durante o coronavírus

Durante o auge da pandemia de coronavírus na China, as marcas aumentaram seus esforços para atender às altas expectativas dos consumidores por serviços digitais, oferecendo ferramentas e cursos on-line gratuitos, transmitindo eventos ao vivo e adotando novas estratégias de comércio eletrônico.

De acordo com uma pesquisa realizada em Março de 2020 pela GlobalWebIndex (GWI), 91% dos usuários de internet na China com idades entre 16 e 64 anos concordaram que as marcas deveriam fornecer serviços gratuitos durante o surto de coronavírus.

E as marcas na China estão intensificando para atender a essas expectativas. A Youdao Education, de propriedade da gigante dos jogos e da música NetEase, ofereceu aulas on-line gratuitas para alunos do ensino fundamental e médio em Wuhan no inverno e expandiu esses serviços em todo o país na primavera. A empresa Alibaba ofereceu sua plataforma de comunicações DingTalk gratuitamente e a Tencent expandiu a capacidade de sua ferramenta de videoconferência WeChat Work para 300 pessoas para assinantes, além de oferecer cursos gratuitos de telemedicina e on-line para hospitais e escolas.

No Brasil, mais da metade das pessoas entrevistadas acreditam que as marcas devem oferecem alguns serviços gratuitos.

As diretrizes de abrigo no local também levaram as marcas a integrar a transmissão ao vivo ao comércio eletrônico, uma prática que vinha ganhando força antes da pandemia. A Shanghai Fashion Week foi transmitida ao vivo para 700 milhões de compradores digitais nas plataformas Tmall e Taobao da Alibaba em Março, e todos os produtos mostrados estavam disponíveis para compra. A gigante chinesa de comércio eletrônico JD.com fez parceria com a Anheuser-Busch e Rémy Cointreau para transmitir ao vivo conjuntos de DJs para promover suas bebidas. O sucesso dessas transmissões ao vivo levou a JD.com a estender a iniciativa até pelo menos Maio.

Tecnologias anteriormente mais experimentais tornaram-se meios viáveis de conduzir negócios: em resposta aos temores dos consumidores de contrair o coronavírus por meio de entregas, a JD.com e a plataforma de comércio eletrônico Meituan, introduziram rapidamente a entrega sem contato por meio de veículos sem motorista e drones. Embora esses esforços provavelmente sejam limitados em escala, eles oferecem algum grau de garantia e atendem às ambições de longo prazo da automação da cadeia de suprimentos.

As maiores marcas digitais lançaram esforços de socorro destinados a ajudar pequenas e médias empresas durante a pandemia. A JD.com ofereceu vários incentivos para ajudar os vendedores em sua plataforma, incluindo promoções, ajuda de transmissão ao vivo e suporte de marketing de conteúdo. O Alibaba também forneceu serviços gratuitos e dispensou taxas para seus vendedores. Está fornecendo suporte adicional aos agricultores – cujos negócios foram significativamente interrompidos – por meio de treinamento gratuito sobre como eles podem digitalizar seus negócios.

autor: Man-Chung Cheung
fonte: eMarketer
tradução livre: Google 😛 e Iris Freitas Duarte

NOTA IFD: No Brasil, na contramão, algumas empresas apostam apenas no caminho de pedir por ajuda para sobreviver sem oferecer nada além disso para sociedade. Agora é necessário, mais do que nunca, que as empresas mostrem senso de comunidade. Como bem disse Washington Olivetto, “Agora não é hora de vender; agora é hora de prestar serviço”.

Reflita no papel do seu negócio na comunidade, tente achar o equilíbrio da sobrevivência da sua empresa e não perca o contato com seus clientes. Se você está perdido sem rumo sobre o que fazer e precisa contar com uma mentoria/consultoria para seu negócio para te ajudar neste momento, entre em contato e solicite seu orçamento! Ficaremos felizes em ajudar.

Postado em:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *