Não Peça Milagres a Publicidade



. . . se começou a realisa-la recentemente. . .
. . . não peça resultados prematuras á propaganda, sr. anunciante novato. A publicidade não é terra dadivosa que oferece colheitas maravilhosas lógo no primeiro instante, é terreno fertil, sim, mas é preciso prepara-lo, aduba-lo, rega-lo, constantemente se se quer que êle renda todo o produto magnífico de que é capaz a sua fecundidade.

A publicidade está sujeita as leis científicas.

Elas estabelecem o seu ponto de partida, a diretriz do seu destino, e o seu ponto de chegada. Tudo o que se pretende exigir fóra disto, tudo o que se queira pedir-lhe antes que cumpra as étapas do seu caminho, está sujeito a desencantos e aos riscos naturais.

É o grito da oferta que recolhe a vóz da discussão.
A publicidade é o maior propulsôr de vendas até agora conhecido; é o maior fator de progresso que até este momento concorreu para a evolução do comércio e da indústria; suas vózez percorrem e atingem as mais afastadas distancias e vão, muitas vezes, a logares que os mais modernos meios de transporte não alcançam. E´ o grito da oferta que recolhe a vóz da discussão; é o sopro vital que movimenta capitais, renova existencias, se custeia e paga a si mesma, sendo tão eficazes e certos os seus resultados que mais de noventa e cinco por cento dos grandes estabelecimentos mercantins de hoje, não se poderiam manter na posição vantajosa que ocupam se suprimissem as verbas destinadas á sua propaganda.

Porém isso não é obra de um dia; não é cousa que se planta a noite para colher os frutos lógo na manhã seguinte. E´ o resultado do esforço continuando e perseverante e da maneira inteligente e sagaz como esse esforço é relizado. E´ o triunfo da inesistencia, é a gôta dágua que fura a pedra, é a vitória depois da batalha bem planejada e dirigida com habilidade.

A propaganda dá prestigio e renome a todo aquele que a veículo, mas ela fracassa quando o produto que lança não corresponde, na sua essencia, ás qualidades apregôadas.

Um mau produto não póde competir com um bom produto, mesmo quando o mau produto esteja protegido pela barragem da propaganda mais intensa, porque as massas populares com seu poder controlador cêdo descobrem o embuste e lhe decretam a morte.

Se quer bons resultados, esforce-se, trabalhe, constrúa!
Seis, palavras áquele que anuncia pela primeira vez; não peça resultados prematuros á Propaganda. Ela só lhe dará resultados satisfatórios na hora e tempo devidos. Não pense que porque pública um anúncio hoje, hoje mesmo a sua casa comercial se encherá de gente esvasiando seus monstruários e suas prateleiras e enchendo sua caixa registradora. Não. Isso não acontecerá nem hoje nem amanhã. Você começou a semear agora. Espere um pouco para começar a colher. Entretanto, esforce-se trabalhe, constrúa. Mas não se detenha ao meio do caminho, nem desanime ante a obra em marcha porque ao fazê-lo, você quebrará sua fé, recuando do ponto até onde avançou! Ao velho anunciante: não exija resultados da Publicidade se você não é constante com ela. Se v., por exemplo, publica um anuncio hoje e espera trinta dias para publicar outro, não acredite que dominará o mercado com esse progresso. Assim v. terá um dia, algum resultado, mas resultado na razão diréta dos anúncios que lança.

Publicar hoje um anuncio e mergulhar em silêncio durante um período de tempo superior a quatro semanas, enquanto seus competidores e rivais, em igual espaço de tempo aparecem com publicidade duzentas vezes aos olhos e ouvidos do povo, é permanecer tão escondido como se nunca tivesse feito um anúncio siquer . . .

É um problema que se resolve diariamente.
Você não está vendo como aumenta diariamente a maré da propaganda?

Os anúncios nas paginas dos grandes diários, os programas radiofônicos, nas mais populares emissôras, já não são simples convites a uma atenção mais demorada, e sim uma multidão punjante e vigorosa que se esforça por abrir caminho, para avançar e se impôr.
É um problema que se resolve diariamente. Neste terreno, para triunfar é preciso harmonisar a constancia com a inteligencia.
Faça uma publicidade inteligente. Tenha fé na tarefa que empreende. Seja tenaz e persistente. Faça-se conhecer. Faça-se escutar. Produza “sensação com a sua presença”. Não deserte das fileiras quando seus concorrentes avançam em formação cerrada. Não queira ir contra a corrente. Não espere que o público vá ao seu encontro. Esses tempos já passaram. Deixe de lado a rotina. Coloque-se á altura da época em que vivemos.Marche a passadas largas e firmes, lenta, mas seguramente. Assim ocupará uma posição na vanguarda. Sacrifique hoje para colher otimos resultados amanhã. E não se impaciente: lembre-se de que o prego não se encrava na madeira n´um só golpe; é preciso uma serie de golpes para isso. O seu caso publicitário é igual ao de muitos. Aja de acordo com esses conselhos.

Publicidade não é apenas publicar anúncios e conseguir que eles sejam lidos . . .
. . . nem, tampouco farez irradiar programas radiofônicos e conseguir que eles sejam ouvidos. Por detraz disto deve haver alguma coisa a mais. MUITO MAIS, mesmo; todo um mundo de cousas, que não se vê, mas nas quais se baseia todo o seu exito, do mesmo modo que no concreto armado, que também não se vê, repousa a colossal estrutura do arranha-céu. A missão do anúncio termina no justo momento em que o provável comprador põe os pés nos batentes de sua casa. Como v. o recebe? Que qualidades de atenções lhe dispensa? De que maneira procura inspirar-lhe confiança e obter sua preferência? Qual a garantia que lhe dá em tróca da compra que ele faz e da preferncia que ele lhe dá?

Diariamente fracassam campanhas de publicidade habilmente concebidas e técnicamente bem orientadas.

Fracassam porque por tráz delas não ha esse “alguma cousa mais” com que a organização comercial deve colaborar na tarefa do publicista que as executa. Isto, muitos negociantes não entendem, cu melhor, não querem entender e é lamentável que assim seja porque com tal procedimento “calçam” a róda que o outro impele para frente e o mais estrondoso fracasso não demora a chegar;
E´ que em Publicidade não basta a honradez profissional de quem a executa mas também, e muito especialmente, o espírito d responsabilidade de quem a financia.

Não peça resultados prematuros á publicidade!
Em vez disto, dê tempo para que frutifique a semente que plantou na terra e dê-lhe toda assistencia, todos os cuidados, para que se cumpra o roteiro de sua germinação. Ela lhe dará frutos magnificos e substanciosos, porém não pretenda colhe-los antes da hora, porque ao fazê-lo cairá, fatalmente, no absurdo de querer que o trem chegue á estação do seu destino quando, todavia, ainda não saiu do ponto de partida!

autor: Roberto E. Noé para a Revista Publicidade e Negócios – PN publicada em setembro de 1940, mas que se encaixa perfeitamente nos dias de hoje.
fonte: Memória Nacional da Propaganda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *