7 fatores psicológicos por trás do comportamento das pessoas na mídia social

  1. 7 fatores psicológicos por trás do comportamento das pessoas na mídia social




Entender como a mente pensa e reage em relação a posts, fotos e compartilhamentos nas redes sociais pode contribuir com ao estratégia de marketing das empresas

Por se tratar de uma forma de comunicação jovem, a mídia social precisa ser descoberta e testada todos os dias. Inúmeras pesquisas já nos mostram como ela transforma a maneira como as pessoas se relacionam e compartilham informações.

Veja a seguir alguns estudos psicológicos que podem ajudar a melhorar as estratégias de marketing de sua empresa:

1) Todos já escrevemos posts e mudamos de ideia em seguida

Para saber mais sobre esse sentimento que acomete muitos usuários de redes sociais, dois pesquisadores do Facebook conduziram uma pesquisa sobre a auto-censura, ou seja, publicações que são escritas, mas nunca publicadas.

Durante 17 dias, rastrearam a atividade de 3,9 milhões de pessoas. Nesse período, 71% dos usuários digitaram pelo menos um comentário ou atualização de status e então decidiram não publicá-los.

Os pesquisadores acreditam que as pessoas são mais propensas a censurarem a si mesmas quando sentem que sua audiência é difícil de definir. O público do Facebook tende a ser diverso, o que dificulta as chances de agradar todo mundo. Usuários mostraram-se menos inclinados a desistirem de postar comentários no post de outra pessoa porque a audiência era mais concreta.

2) Emoções compartilhadas online são contagiosas (especialmente a felicidade)

Sabemos que emoções podem ser contagiosas de pessoa para pessoa, mas não se sabia tanto sobre se emoções podem se espalhar de forma parecida no online.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em San Diego, utilizaram um software para examinar conteúdo emocional de um bilhão de posts no Facebook durante dois anos – particularmente em dias de chuva, quando a chance de posts negativos era maior.

E o que descobriram é que os sentimentos negativos se espalharam pela rede atingindo pessoas que viviam em lugares onde não estava chovendo.

Porém, os pesquisadores descobriram que a positividade é ainda mais contagiosa. Dados mostram que posts negativos geraram cerca de 1,29 posts similares de amigos, enquanto posts positivos provocaram uma média de 1,75 posts com a mesma vibração.

3) Sua foto de perfil causa uma grande impressão em um segundo

Se uma foto vale mil palavras, a foto certa nas redes sociais vale ouro. A Psychological Science publicou um estudo que diz que fazemos conclusões sobre as pessoas ao olhar a foto delas por somente 40 milésimos de segundo.

Os pesquisadores pediram para que os participantes avaliassem fotos parecidas, mas com expressões faciais ligeiramente diferentes.

O resultado mostrou que pequenas variações na expressão facial podem mudar a percepção sobre alguém sob vários aspectos.

4) A maioria de nós compartilha de forma seletiva (mas isso muda de acordo com o país)

Quase um quarto dos usuários de social media no mundo inteiro – 24% – compartilham “tudo” ou “quase tudo” online, segundo pesquisa da Ipsos.

Enquanto 19% não compartilham nada. Mas essa porcentagem muda de acordo com o país.

Em vários países da Ásia, África e América Latina observou-se o comportamento do “oversharing”. Na Europa a maior parte dos países apresentou porcentagem baixa.

5) Obter feedback na mídia social leva a um senso de pertencimento

A ideia de comunidade na mídia social é real. Um estudo da Dra. Stephanie Tobin, da Universidade de Queensland, aponta que a participação ativa na social media ocasiona um senso de conectividade aos usuários.

Na pesquisa foram observados dois grupos: um que postava com frequência no Facebook e outro que apenas observava os posts dos amigos ativos no site. No final da experiência, aquele que não postaram por dois dias sentiram um impacto negativo em seu bem-estar pessoal.

6) Estímulos levam a compartilhamentos

Conteúdos que despertam emoções fortes, como raiva, são mais propensos a serem compartilhados.

Por quê? Um estudo de Jonah Berger defende que estímulos emocionais ativam nosso sistema nervoso, fazendo com que o compartilhamento seja uma forma de nos esvaziar desse sentimento.

7) Não podemos evitar o oversharing – estamos conectados assim

Neurocientistas da Harvard dizem que ao compartilhar nossos pensamentos sentimos um prazer parecido com as sensações provocadas por comida e dinheiro. Quase 80% dos posts na social media são sobre experiências pessoais.

fonte: ProXXIma / Buffer Blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *