Falhas no design de um site

Seja democrático

Não imponha restrições aos visitantes do seu site. Seja democrático, faça-o acessível para todos, e não somente àqueles que tem um determinado browser, resolução ou plug-in. Afinal, você não gostaria de estar numa estrada e avistar a seguinte placa: “Estrada exclusiva para carros com motor 2.0 ou maior”.

Na Web é a mesma coisa. Portanto, não insira no seu site mensagens do tipo “Resolução recomendada: 800 x 600” ou ainda ícones ou indicações de um determinado browser. Quanto aos plug-ins, use-os com moderação. O Flash é uma exceção; ele está se tornando bastante popular e já é suportado pelos browsers mais recentes. Contudo, não custa nada manter uma versão simplificada do seu site para aqueles que não tem o plug-in.

Não imponha barreiras aos seus potenciais visitantes; eles pulam para outro site com a velocidade do pensamento.

Não exagere na tecnologia

A evolução tecnológica na Internet é muito rápida: A toda hora surgem novas linguagens, novos plug-ins e novas versões de browsers. Contudo, nem todos acompanham essas rápidas mudanças. E justamente por isso é bom não exagerar nos recursos empregados no seu site. Portanto, evite empregar as últimas novidades tecnológicas em suas páginas. Espere até que elas se tornem mais difundidas e conhecidas entre os internautas.
Alguns sites usam DHTML (HTML dinâmico) sem testar as páginas. O resultado são erros graves de visualização nas páginas – mesmo em browsers atualizados como Internet Explorer 6.0. Portanto, cuidado: não faça do seu site uma vitrine tecnológica. Não use áudio, vídeo, VRML e outros adereços tecnológicos se isso não for necessário. Mais importante que a apresentação é o conteúdo propriamente – as informações e os serviços que o site oferece.

Cadastre-se primeiro, acesse depois

Muitos sites exigem que os usuários preencham um cadastro antes, para depois poder acessar seu conteúdo. Essa tática é considerada um erro grave pelos especialistas em Web Design. Os usuários visitam um site atrás de uma informação ou serviços. Muitos concordam em se cadastrar no site se isso lhes trouxer algum benefício – acesso completo ao site, serviços adicionais e outros serviços. Mas se o visitante não pode conferir antes o que o site oferece, ele dificilmente preencherá o cadastro.

A regra portanto, é a seguinte: nunca mostre o cadastro antes e o site depois. Antes de forçar o usuário a se registrar, mostre o que o seu site oferece. Deixe bem claro quais são os benefícios que o visitante terá ao se cadastrar. No cadastro, exija o mínimo de informações possíveis. Muitas pessoas abandonam imediatamente a página ao ver um longo formulário a ser preenchido. Dessa forma, deixe alguns campos como opcionais. E quebre o formulário em diversas páginas se ele for muito extenso.

Cuidado com as cores

Não use muitas cores diferentes no seu site. Evite usar a mesma cor para textos e links. isso confunde o usuário e dificulta a navegação. Deixe bem claro o que é texto e o que é link. Além disso, alguns estudos da visão e do olho humano mostraram que temos menor sensibilidade visual para a cor azul. Dessa forma, letras azuis muito pequenas não são recomendadas para textos muito longos. Imagens de fundo (backgrounds) também são um problema. Muitos sites usam imagens rebuscadas como fundo de suas páginas (pequenas fotos por exemplo). O primeiro problema é que essas imagens são pesadas, fazendo com que o site demore para carregar. Além disso, é fundamental que o texto seja legível sobre o fundo escolhido. Para tanto, deve haver contraste entre a cor do texto e o fundo. Para um fundo azul, por exemplo, nunca use texto em preto ou vermelho; use cores claras, como branco e amarelo.

Internautas cheguei !!!

Já disse que seu site não deve ser um arco-íris. Além disso, ele também não deve parecer uma árvore de natal, cheio de penduricalhos e enfeites que piscam. Não abuse das imagens (GIFs) animadas, um recurso que já ficou ultrapassado na Web. Objetos se movendo na tela desviam a atenção do internauta, dificultando sua concentração no conteúdo do site.

Só use animações para chamar atenção daquilo que é realmente importante no site. Um site de shareware e freeware, por exemplo, pode usar pequenas imagens animadas para indicar os arquivos de dowload; afinal, copiar programas é o que interessa aos visitantes do site.

Além disso, animações em botões e menus, acionados pelo mouse, também podem ser usadas sem problemas. Ao contrário de perturbar o usuário com outras animações desnecessárias, elas ajudam na navegação e dão mais interatividade ao site.

Em construção sempre

Nunca coloque em seu site a famigerada expressão “Site em construção”, ou pior ainda, quando se coloca um gif animado de um operário trabalhando. O motivo é simples: sendo a Internet um veículo de informação dinâmico e interativo, espera-se que certa forma todo site esteja sempre em constante atualização. Em outras palavras, todo site que se preze, está sempre em construção. Portanto, se o seu site já está no armas ainda não está 100% pronto, tudo bem, só não precisa ficar avisando. Afinal, a expressão “em construção” afugenta o visitante: página em construção é igual a falta de informação. E como se não bastasse, verificou-se que um internauta que se depara com a expressão dificilmente retorna ao site. Afinal, existem milhares de outros sites prontos para visitar.

A mesma regra vale para contadores. Quando se trata de uma home page pessoal, por exemplo, tudo bem colocar um contador. Mas em um site “profissional” nunca mostra contadores na home page.

O número de acessos a um site é uma informação estratégica. É fundamental que você monitore os acessos ao site, mas não deixe a concorrência saber como está indo o seu negócio. Além disso, quando um site acabou de ser colocado no ar, inevitavelmente ele tem poucos acessos. Os visitantes que vêem um contador com poucos acessos ficam desconfiados: “Será que este site é bom? Tem tão poucos acessos.”

Texto é texto

Nas páginas HTML, texto é texto, imagens são imagens. Portanto, não abuse das imagens contendo textos. Prefira usar o “texto puro” quando você puder escolher. O problema das imagens você já conhece: elas aumentam bastante o tempo de carregamento do site. É claro que você pode usá-las em títulos, logos e menus, mas não exagere.

Além disso, os textos das páginas Web são usados pelos mecanismos de busca para indexar um site. Isto é, as pessoas encontram o seu site por causa das palavras que ele contém. As imagens prejudicam essa indexação.

Evite frames

O uso dos frames é bastante polêmico entre os webdesigners. Muitos dizem que os frames facilitam a navegação. Outros afirmam que os frames só trazem problemas e que são desnecessários. Mas o fato é que esta última opinião vem predominando. Muitos webdesigners têm abolido os frames dos seus sites.

Embora atraentes à primeira vista – sobretudo para o webdesigner iniciante, o uso de frames traz uma série de problemas. Em primeiro lugar, os frames criam dificuldades para a administração do site (sobretudo sites com grandes números de páginas). Eles quebram o princípio fundamental da Web: para cada janela do browser, uma única página e um único endereço (URL). Controlar diversas páginas em diferentes partes da tela dificulta a manutenção de sites complexos.

Além disso, os frames são bastante inflexíveis em relação à resolução da tela que o usuário está usando. Ou seja, se você criar uma página para resolução 800 x 600 e um usuário tentar visualizá-la numa tela 640 x 480 podem surgir barras de rolagem que dificultam a navegação.
Há ainda outros problemas: em alguns casos, o endereço (URL) de um frame não aparece no browser e assim não é possível criar bookmarks (“favoritos”) para esse frame. Isso faz com que um usuário não consiga voltar mais tarde a uma página de que gostou (e também não pode enviar o endereço via e-mail para outras pessoas). O último argumento contra o uso de frames: muitos sites que oferecem aos usuários versões com frames e sem frames descobriram que esta última opção é a mais escolhida. “E como o cliente sempre tem razão”…

Janelas irritantes

Não abra janelas desnecessariamente no browser do usuário. Esse recurso só deve ser empregado se você está linkando uma página fora do seu site. Em qualquer outro caso, nunca abra janelas que sumam com os menus (Arquivo, Editar, botões de navegação (voltar, Avançar e Parar) e endereço (URL) do browser.

Os internautas estão acostumados com a janela tradicional do browser. Sumindo com os menus, o visitante não sabe mais como imprimir a página. Sumindo com o endereço, ele deixa de saber em que site está. Sumindo com os botões de navegação, ele fica sem saber para onde ir, como retroceder, como avançar e, muitas vezes, opta pela saída mais fácil: fechar a janela.

Não complique, simplifique.

Por fim uma última dica: busque simplicidade, não complexidade. Pode parecer uma dica óbvia, mas quem avisa é o guru do webdesign, Jacob Nielsen: “Prefira um site de fácil navegação a um site que é um show de tecnologia”. Além disso, não faça do seu site um labirinto. Um site no qual é difícil navegar, também é difícil de manter. E a idéia é sempre levar o usuário àquilo que lhe interessa, sem passos intermediários. Nunca coloque uma página de entrada com uma imagem grande dizendo: “Clique aqui para entrar”. São obstáculos que dificultam a entrada do site, fazem o usuário esperar, e não acrescentam nenhuma informação.

Prefira um design limpo, “clean”, não recheie suas páginas com barras e botões coloridos, fotos, figuras animadas e música de fundo. Por fim, uma dica dos melhores designers: deixe espaços em branco no seu site. Você não precisa preencher sempre toda a tela. Os espaços em branco, servem para deixar as páginas menos carregadas.

fonte: tanomuro

Posted in:

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *