Planejamento estratégico na era da internet

Tudo parece tão mais lento quando pensamos na comunicação antes da web. As coisas tinham começo, meio e fi m. Um pensamento analógico. Cabia ao planejamento entender a principal face da relação das pessoas com a categoria e a marca, assim como planejar a proposta da marca com a melhor estratégia para sinalizar a oferta desejada pelo target. As diferenças da comunicação atual comparada à de anos passados são muitas e características do cenário digital. O planejamento na era da internet não se esgota e vai sempre permitir novas visões. Sem dúvida, é imperioso ao planejamento nos dias de hoje considerar alguns aspectos.

Acesso sem precedentes à informação
A primeira grande mudança promovida pela webrefere-se à essência do planejamento estratégico:
o acesso à informação. O meio digital mudou a maneira de os planejadores se relacionarem com a informação. Ter um panorama completo a respeito do assunto que se está estudando fica a um clique. Basta estar conectado que o planejador tem a chance de ampliar sua visão de forma impressionante. A internet leva o planejador a qualquer lugar do mundo. Sites como Iconoculture e Trandwatching trazem as principais tendências que infl uenciam o comportamento dos targets e ainda analisam como elas se aplicam aos negócios. Claro, tão importante quanto o acesso às informações é a sua aplicação.

Hiperconectividade
A relação extremamente próxima que um número cada vez maior de consumidores estabelece com a web tem forte impacto na sua relação com as marcas. Eles podem acompanhar cada passo daquelas de seu interesse e cada inovação e atitude que favoreça ou prejudique o planeta, assim como se manter mais informado do que nunca a respeito dos segmentos de mercado em que elas atuam. Além da possibilidade de monitorar o comportamento das marcas, os usuários da internet desejam benefi ciar-se das facilidades da rede: “Eu quero tudo agora: entretenimento, gratifi cação instantânea, comunicação a um toque de dedos 24 horas por dia, 7 dias por semana”. Por isso, o mercado Wi-Fi cresce na proporção do desejo de conexão das pessoas. Essa possibilidade constante de acessar seus próprios benefícios através da rede também trouxe mudanças ubstanciais para o cenário da mídia. Novos canais, como comunicadores instantâneos, celular, aparelhos de mp3, games e lojas virtuais, entraram com força no ambiente da mídia tradicional — ignorar essas novas possibilidades decomunicação seria abrir mão de grande parte da
disposição do target de ouvir a marca.

A velocidade
Além da sincronia entre diferentes canais de mídia e mensagens, a velocidade da comunicação, muito mais rápida e contínua, é outra mudança importante. Não é mais possível pensar em campanhas e seus flights de veiculação. A marca simplesmente não pode parar de falar com seus targets em momento algum. É um processo contínuo de comunicação integrada: diferentes mensagens, em diferentes canais de mídia, falam sobre diferentes facetas da relação das pessoas com a marca e todas devem se somar em uma única percepção que no fundo mostre em que aquela marca vai mudar, melhorar, possibilitar e transformar a vida delas.

Personalização
O mundo digital viabiliza também outra forte tendência dos targets: a personalização. O maior exemplo é o iPod e sua possibilidade da biblioteca própria de músicas. A TiVo promove a mesma personalização para a TV, possibilitando que as pessoas escolham o programa que desejam, na hora que quiserem, com ou sem comerciais. Indo um pouco mais longe, o software AutoPilot, da TVHarmony.com, permite aos usuários baixar programas da TV paramonitores minúsculos e assisti-los na rua, em qualquer lugar, a qualquer hora.

O poder do boca a boca
O velho hábito da troca de infl uências nunca foi tão for te e tão facilitado como no mundo digital. Em poucos minutos, uma pessoa consegue declarar seu amor ou ódio às marcas e dividi-lo rapidamente com milhões e milhões de internautas — ou, pior ainda, com sua agenda privada de 200 ou 300 nomes dispostos a prestar atenção nos conselhos de quem disparou o comentário. Os blogs também são um fenômeno de “World of mouth”. De acordo com a Technorati, empresa que monitora o surgimento de blogs na rede, existem cerca de 24 milhões deles em uso na web. Estima-se que cerca de 1 milhão no Brasil.

As comunidades vir tuais também fazem par te das novas formas de comunicação. Só um exemplo: Peer trainer é um site gratuito de ginástica e dicas de alimentação no qual os usuários se encontram e treinam em grupos de quatro. A convivência vir tual com pessoas que dividem os mesmos objetivos é uma força para a determinação de alcançá-los.

Com essas mudanças que acabamos de ver, é possível se pensar igual? Não, não é. Mas esses foram somente alguns dos movimentos provocados pela internet, com impacto no planejamento estratégico. Poderíamos continuar este assunto por páginas e páginas. E por que não? Afi nal, uma das conseqüências da web é que as informações não se esgotam, elas continuam sempre.

autora: Rita Almeida
fonte: Conexão Msn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *