Onde as teorias sobre marketing e networking se encontram





Seu nome é a sua marca. Então, não adianta apenas ter contatos fortes, eles precisam se lembrar de você e da sua relevância.

Pense rápido! Qual é a marca de refrigerantes mais vendida no mundo? Qual é a maior rede mundial de fast foods? Qual é a empresa de tecnologia mais inovadora do mercado? Se você não respondeu Coca-Cola, McDonalds e Apple, provavelmente não vive nesse planeta. Essas marcas estão tão presentes na sua cabeça que devem ter vindo à sua mente mesmo antes que você conseguisse pronunciá-las.

Se você nunca estudou nada sobre marketing, sequer faz ideia de como essas marcas conseguiram entrar dentro da sua cabeça. Com um pouco de estudos, você já compreende que essas empresas conquistaram sua atenção por causa de investimentos maciços em branding. Mas só quem conhece à fundo as teorias de marketing sabe o quanto é difícil chegar e, principalmente se manter, no ponto mais alto da consciência do consumidor. Em marketing, esse lugar é chamado de Topo da Mente ou Top of Mind, em inglês.

Mas o que essas teorias todas de marketing têm a ver com as teorias que estudam o networking? Em networking, não basta ter contatos fortes para que sua rede de relacionamento trabalhe a seu favor. É preciso que seus contatos se lembrem de você quando uma boa oportunidade passe por eles. Então, pense em você como uma marca; suas ideias, sua reputação, suas qualidades são seus produtos; e sua rede de relacionamento é o mercado consumidor de tais produtos. Para que esses consumidores “comprem” os seus produtos, eles precisam ter sempre em mente que sua marca existe e quais são os produtos que você está oferecendo. Mas só estar presente pode não bastar quando a disputa pela atenção do mercado é muito grande. Nesses casos, sua estratégia tem que mirar o Topo da Mente dos seus consumidores.

Corporações investem milhões de dólares em pesquisas e colocam seus profissionais mais capacitados para entender o que se passa na cabeça dos seus clientes em potencial com o único objetivo de conquistar esse lugar de destaque na mente deles. Esse objetivo terá sido alcançado quando um cliente chega ao ponto de venda e, instintivamente, compra o produto desta empresa mesmo com o preço maior ou com menos diferenciais em relação aos concorrentes. Já você não tem os mesmos recursos financeiros e nem uma equipe para trabalhar a sua marca e tampouco para promover e vender os seus produtos. Esse é um trabalho duro (no duplo sentido da palavra) e solitário!

Outro ponto onde as teorias de marketing se encontram com as de networking é a categorização de um produto ou serviço. A mente do consumidor é um quarto com vários armários e cada um deles com várias gavetas. Esses armários são as categorias. Cada uma dessas gavetas representa uma subcategoria. No armário que representa a categoria de aparatos esportivos, existem várias gavetas representando as subcategorias, tais como camisetas, tênis, chuteiras, bonés, bolas, sungas, etc. Para cada subcategoria pode existir diversos fornecedores, mas apenas um conseguirá ocupar a parte de cima da gaveta, ou o Topo da Mente do consumidor. A Nike, por exemplo, pode ser a marca “Top of Mind” em tênis, mas foi a Topper que trabalhou melhor sua estratégia para estar no topo da subcategoria de chuteiras, por exemplo. Isso mostra o quanto uma estratégia de marketing pode ser focada a ponto de gavetas tão próximas dentro de um mesmo armário sejam tão distintas.

Trazendo essa teoria para o mundo conectado do networking, isso significa que você não precisa estar no Topo da Mente de todos da sua rede de relacionamentos em todas as categorias e suas subcategorias. Em termos práticos, você precisaria se vender como um “bom partido” àqueles amigos que têm muitas amigas lindas e solteiras. Você deve vender a imagem de um “funcionário exemplar” para aqueles amigos que têm muitos contatos no seu mercado de trabalho. Precisa ser um “cidadão modelo” para os membros da sociedade em que está inserido. Cada um desses rótulos é um produto que leva sua marca. Em resumo, quem vende produtos em diversas subcategorias, não pode adotar a mesma estratégica para chegar no cume da mente dos seus consumidores. Você corre o risco de passar uma mensagem confusa e deficiente aos clientes da sua marca.

Da mesma maneira que os profissionais de marketing se dedicam aos estudos das teorias para alcançar o Topo da Mente dos clientes, você também deve aprender a trabalhar sua marca dentro do seu networking. Como disse Leonardo Da Vinci – “Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende!”.

autor: Luiz Sales
fonte: [Webinsider]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *