Marcas são usadas por manifestantes para protestar





Além da Fiat, Coca-Cola, Mentos, Facebook, Johnny Walker, Halls e Globo são citadas em cartazes nas ruas e em imagens nas redes sociais. Algumas viraram hashtags

As manifestações por várias cidades do país têm envolvido as marcas mesmo sem um posicionamento por parte delas. A Fiat é a que tem sentido mais esse movimento, já que a sua campanha “Vem para Rua” se transformou em um lema de muitos protestantes. Além de a música ter sido usada em vídeos por usuários para ser a trilha sonora de imagens das reivindicações pelo não aumento da passagem de ônibus, fim da corrupção e outras questões, a hashtag #vemprarua se tornou uma das mais usadas nas redes sociais por quem decidiu participar das passeatas. Outras marcas, porém, também têm sido citadas diretamente ou não, como Coca-Cola, Mentos, Facebook, Johnny Walker, Halls e Globo.

A expressão “geração Coca-Cola”, que se tornou famosa na década de 1980 para exemplificar a inércia de uma época, voltou a aparecer. Desta vez, porém, em frases como “a geração Coca-Cola acordou” e “jogaram Mentos na geração Coca-Cola”. A expressão que une as duas marcas faz referência aos vídeos que tiveram repercussão na internet há alguns anos que mostravam garrafas do refrigerante jorrando o conteúdo quando misturado a balas Mentos. A alusão compara o fenômeno químico com a mobilização das pessoas. Outra bala, Halls, também apareceu em algumas frases usadas durante os protestos, caso, por exemplo, de “Odeio bala de borracha. Joga um Halls”.

Já o Facebook não tem sido apenas uma ferramenta de comunicação dos manifestantes, mas também usado como referência por eles para estimular outras pessoas a participarem. A hashtag #saidofacebook tem aparecido em muitos posts, especialmente ao lado de #vempararua. Durante os protestos, também é comum encontrar pessoas mencionando a rede social em cartazes para contrastar a ação de protestar da atitude passiva de estar em casa acompanhando tudo pela internet.

Da mesma forma, a Globo precisou não apenas passar informações sobre os protestos, como responder ao vivo por meio da apresentadora do Jornal Nacional, Patrícia Poeta, às acusações de que não estaria mostrando a real situação em seus telejornais. Além de ser alvo de cartazes ofensivos, a emissora também é criticada na internet, onde sua logo é usada para representar a ideia de que a grande mídia deixa de comunicar fatos importantes de forma completa à população.

Outra marca envolvida é o whisky Johnny Walker. Apesar de não ser diretamente citado, o vídeo e ilustrações de uma de suas campanhas, “Keep Walking, Brazil”, estão circulando pela internet. O filme publicitário, de 2011, foi a primeira peça local criada pela marca e mostrava o Pão de Açúcar se transformando em um gigante, o que era uma referência ao progresso do país e ao trecho “gigante pela própria natureza”, do hino nacional. Os manifestantes e simpatizantes das reivindicações usam mensagens similares ao aproveitar as imagens da marca para defender que o Brasil acordou para a necessidade de se mobilizar e que agora está lutando para mudar a situação da saúde, educação e política do país.

Veja abaixo os cartazes das manifestações que fazem referência às marcas e as ilustrações que estão circulando pelas redes sociais:

autora: Ana Paula Hinz
fonte: http://www.mundodomarketing.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *