Blogueiras ardem na fogueira da indústria moda

Nos cursos livres e superiores de moda, uma nova resposta se junta às respostas preferidas para a pergunta: “Que profissão você deseja seguir?”

Geralmente, para grande pesar de um mercado saturado de designers e que precisa mesmo é de modelistas, engenheiros têxteis e afins, as respostas, que costumavam ser 1) estilista e 2) diretor de marketing, agora vêm acompanhadas de 3) blogueira.

A blogueira de moda é, ao mesmo tempo, a estrela e o Judas do momento no mundinho fashion. As top blogueiras ou os top blogueiros (eles existem, mas ainda são minoria) sentam nas melhores filas dos desfiles, recebem presentes, ganham muito dinheiro e ainda desfilam. Gala Gonzalez e Prince Pelayo, blogueiros espanhóis, por exemplo, passariam lindos e faceiros pela passarela da grife Aüslander, encerrando o Fashion Rio.

A blogueira não é jornalista, por definição. Há milhares de jornalistas que têm blogs, mas isso é uma outra coisa.

O metiê da blogueira é outro. O papel dela não é criticar nem reportar fatos “fashion” segundo seu olhar. A ideia é agir como uma espécie de modelo, uma celebridade “da vida real”, quase um ex-BBB.

Nos melhores casos, elas funcionam como guias de compras, seja qual for a faixa de bolso. Mas as célebres são as que, entre pechinchas, mostram coleções respeitáveis de roupas e acessórios grifados.

Dependendo da notoriedade, a blogueira vira microempresária de si mesma. A maior central de blogueiras do Brasil, batizada de F*Hits, reúne moças com potencial para se transformarem em máquinas do marketing.

O funcionamento é simples: elas anunciam em seus blogs produtos de marcas dispostas a desembolsar até R$ 50 mil pela exposição, mas os valores variam muito. O mesmo expediente funciona no mundo todo.

Cabe a essas moças vestir as peças de seus contratantes e postar fotos acompanhadas de elogios. Ou elogiar um restaurante, um brigadeiro, uma marca de pilha, um papel higiênico. Algumas postagens trazem, no rodapé, a discreta palavra “publipost”. Um jeito de o leitor, ao menos o superatento, saber que aquela opinião é, na verdade, propaganda.

Pouca gente comenta, porém, que a maioria das grandes revistas e sites de moda do mundo divulga conteúdo pago, sem avisar.

Os blogueiros são uma realidade no circuito da moda mundial. E aqui, como lá, são vistos com algo entre desdém e antipatia por muitos compradores e jornalistas.

Na fogueira da moda, a chama está sempre sedenta por mais uma bruxa. É um caso de ética frouxa e regra clara: o inquisidor de hoje pode ser o “churrasquinho” de amanhã.

autora: VIVIAN WHITEMAN
fonte: http://www1.folha.uol.com.br/serafina

Blogueira é simplesmente uma blogueira e nada mais, algumas (se conta nos dedos) se especializam no segmento que elas abordam em seus blog pra coisa ficar mais profissional, mas é MUITO RAROOO. A maioria não tem conhecimento pleno para darem opiniões do certo e errado, mal tem bagagem cutural em moda pra tal, e o ruim que das que “conheço” elas tem uma soberba ABSURDA como se fossem as “gurus” da moda (chega a dar pena). Só que muitos não sabem que esta “soberba” só funciona pras leitoras dos blogs delas.

Engraçado que me chamam de “blogueira” e me sinto ofendida 😀 é sério, até porque o foco do meu trabalho NUNCA foi IFDBlog e sim minha “agência (home office)” de comunicação. No BR pelo menos não acho mérito NENHUM ser chamado de blogueira, até porque muitos aqui usam num tom bemmmm prejorativo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *