A verdadeira história dos dois frades da Nestlé

  1. A história dos dois frades da Nestlé




Nesta última semana a imagem de um quadro com dois frades apareceu na timeline de diversas pessoas no Facebook que logo se lembraram da embalagem do chocolate em pó da Nestlé, mas a maioria das que compartilharam se limitou não fornecendo detalhe mais relevante sobre obra ou mesmo sobre a embalagem.

Encontrei no blog de Paio Birolini um pouco da história tanto da obra como da embalagem e coloco abaixo como curiosidade:

Chocolate em pó Gardano | Chocolate em pó Nestlé

Desde o lançamento, o Chocolate em Pó Gardano era conhecido tradicionalmente entre os consumidores como o “Chocolate do Padre”. A Gardano, fundada em 1921, na cidade de São Paulo, fabricava também o Mentex. Em 1957, a suíça Nestlé comprou a Gardano, mudando o nome da empresa paulistana para Companhia Brasileira de Chocolates – Chocobras. O nome Gardano permaneceu no mercado até 1959, quando foi substituído pela marca Nestlé. Apesar da mudança de nomes, a Nestlé manteve a imagem dos dois frades para ilustrar a embalagem do chocolate em pó. Mais tarde, em 1975, a empresa suíça registrou a marca Dois Frades para o tradicional Chocolate em Pó Nestlé. Em 1991, foi registrada a marca Chocolate dos Padres pela companhia.

A imagem dos dois frades reproduz uma das telas do pintor italiano Alessandro Sani, nascido em Florença, na segunda metade do século 19, conhecido por seus quadros que são verdadeiras sátiras à vida doméstica e o dia a dia dos frades. O quadro, um óleo sobre tela, onde dois frades provam um prato, era justamente uma das pinturas mais prediletas do antigo dono da Chocolates Gardano e serviu de inspiração para a embalagem do chocolate em pó produzido pela empresa.

Pintor: Alessandro Sani - Quadro Testing

Pintor: Alessandro Sani (1870-1950) | Quadro: O Prato Favorito / Testando a Receita / Testing

Outro fato interessante que encontrei foi o relato de Helena Gardano, neta de Paulo Gardano, já falecido ex-dono da Gardano:

Realmente meu avô era um apaixonado por artes, desenhos e etc. Quando ele viajava a outros lugares fora do Brasil tinha o costume de recortar e organizar os anúncios impressos e os tipos de fontes utilizados para usar de inspiração. Ele também criou a embalagem do Alpino utilizada até hoje com pequenas alterações.

Quanto ao quadro apesar de ter ouvido falar que alguém possui o original, documentado inclusive, o quadro nunca foi vendido e continua em posse da família Gardano que nunca se interessou em contestar algo, pois guarda o quadro pela importância sentimental e as lembranças que o mesmo traz do homem genial que foi o meu avô.

2 Comentários

  1. Essa embalagem foi minha grande inspiração pra escrever uma história de ficção, ainda não publicada. Será surpresa e a história se passa num mosteiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *