Três razões que explicam o sucesso do Snapchat entre o público jovem

  1. Três razões que explicam o sucesso do Snapchat entre o público jovem




O aplicativo Snapchat, criado em 2011 pelo americano Evan Spiegel quando tinha apenas 11 anos, ficou conhecido inicialmente pela preocupação que causou em pais de crianças e adolescentes.

Sua popularidade entre estudantes ocorreu principalmente pelo uso da ferramenta para trocas de imagens sexuais.

Mas Spiegel, em uma entrevista à BBC em 2013, disse que a controvérsia não impediria o Snapchat de ser um sucesso. E ele não estava errado.

O aplicativo tem mais de 700 milhões de usuários em torno do mundo, mas chama a atenção por seu poder de fogo nos EUA: cerca de 100 milhões de pessoas usam o aplicativo diariamente no país. E 86% delas têm menos de 35 anos.

Por isso, o Snapchat ficou conhecido com o “aplicativo dos millennials”. E se transformou em uma plataforma estratégica para empresas e até políticos – na corrida presidencial, por exemplo, ambos os pré-candidatos do Partido Democrata, Bernie Sanders e Hillary Clinton, fazem uso do Snapchat em suas campanhas.
Mas por que o Snapchat faz tanto sucesso entre os jovens? Além de ser gratuito, claro.

1. Privacidade

“Nós complicamos a tarefa dos pais de envergonharem seus filhos”, disse Spiegel durante uma conferência no ano passado.
Para alguém se registrar no Snapchat, somente é preciso um número de telefone e um apelido. E a única maneira de se encontrar um usuário é conhecendo este apelido.

Segundo a especialista em redes sociais da Universidade Princeton, Ryan Maguire, uma era digital carregada de informações que vão se acumulando ao longo do tempo, como acontece no Facebook, fez com que jovens se preocupassem mais em se comunicar com amigos mais próximos do que contar suas histórias para o mundo.

“Os usuários querem compartilhar experiências com pessoas que escolhem e sem a necessidade de que esse conteúdo seja armazenado”, disse uma usuária de Snapchat ao portal de notícias Business Insider.

Spiegel fundou o Snapchat aos 21 anos

Spiegel fundou o Snapchat aos 21 anos

2. Efêmero

Ao contrário do Facebook, que é capaz de armazenar fotografias e vídeos desde a data em que o usuário abriu seu perfil, o Snapchat apaga seu conteúdo a cada 24 horas. Analistas de mídias sociais afirmam que o fato de nenhum conteúdo prevalecer oferece mais liberdade e faz com que histórias e comentários sejam mais naturais e divertidos.

Se um usuário envia um snap a outra pessoa, a mensagem só poderá ser vista duas vezes. E se o receptor esquecer-se de clicar, a mensagem será destruída em 30 dias. Para empresas e veículos de mídia, essas condições apresentam uma oportunidade de interação, mas ela é desafiadora, já que o conteúdo precisa captar rapidamente a atenção dos usuários.

3. Não é uma rede social

Os usuários do Snapchat não têm por que interagir com outras pessoas ou sequer criar conteúdo próprio. E a empresa por trás do aplicativo diversificou seu uso a partir de janeiro do ano passado ao lançar a seção discover – um carrossel de histórias oferecidas por uma série de veículos de mídia.

“Não somos uma rede social. Temos uma colaboração com alguns meios de comunicação para criar um formato que priorize contar histórias”, disse o Snapchat, em um comunicado oficial.

A campanha de Hillary Clinton percebeu importância da ferramenta

A campanha de Hillary Clinton percebeu importância da ferramenta

Assim é possível entrar nos perfis de meios como BBC, CNN, Wall Street Journal e outros, que devem sempre atualizar seu conteúdo a cada 24 horas.

Mas a companhia também estimula a produção de conteúdo gerado por usuários, incluindo em eventos de grande porte, como o Oscar.

Diariamente, os usuários do Snapchat assistem a 8 bilhões de vídeos, segundo dados da empresa. O instituto de pesquisas Nielsen estima que 41% dos adultos americanos com menos de 35 anos usam o aplicativo.

fonte: BBC Brasil

Postado em:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *