Branding não é Design de Marcas

Por favor, não seja um "micreiro do branding"

  1. Branding não é Design de Marcas




Vamos primeiro separar os conceitos.

Um projeto de PIV é um projeto de construção da IDENTIDADE VISUAL DE MARCA, ou seja, sobre como uma marca visualmente se comunica. Vale lembrar que o PIV não é a única manifestação VISUAL da identidade da marca e que a mesma também se comunica VERBALMENTE.

Um projeto de PIV envolve geralmente elementos como cores, tipografia, padrões visuais e efetivamente uma marca gráfica (símbolo e/ou logotipo)

Um projeto de Branding é um projeto de gestão e construção da IMAGEM da marca, ou seja, da construção de VALOR e REPUTAÇÃO centradas no:

  • BRAND EQUITY (valor agregado da marca)
  • SHARE OF MIND (presença no mapa mental de marca do público)
  • BRAND AWARENESS (conhecimento da marca)

Porém um projeto de Branding pode também envolver o entendimento ou desenvolvimento da IDENTIDADE DA MARCA, mas não estou falando aqui da identidade visual, e sim da definição do DNA de marca, seu propósito, posicionamento e plataforma.

Portanto BRANDING (em um primeiro momento) não tem nada a ver com o desenvolvimento de um projeto de IDENTIDADE VISUAL… porém 2 pontos levam muitas pessoas a misturarem um com o outro.

O primeiro é que muitos dos primeiros conceitos e escritórios de BRANDING surgiram de escritórios especializados em IDENTIDADE VISUAL CORPORATIVA que adentraram questões estratégicas, em um primeiro momento não pela gestão, mas pela definição da IDENTIDADE DE MARCA.

Pela natureza destes escritórios como FUTUREBRAND, LANDOR, WOLF OLINS etc era natural que o projeto de PIV fosse desenvolvido para seguir a identidade da marca, o que nos leva ao segundo motivo desta confusão comum entre PIV e BRANDING:

A imagem da marca é formada através do contato que o público tem com a mesma, seja através do atendimento, publicidade, pontos de venda, produto, boca a boca etc…. e também é claro da identidade visual. Porém esta está presente em quase todos os demais pontos de contato, e portanto toma um papel importante no trabalho de materializar a personalidade e valores da identidade de marca.

O resultado é que muitos projetos de BRANDING hoje acompanham projetos de PIV, causando a confusão atual quando são apresentados.

Já tivemos vários clientes que chegaram ao escritório pedindo por projetos de BRANDING quando na verdade queriam um projeto de identidade visual.

Infelizmente o problema é agravado quando vemos hoje muitos colegas designers usando o tema BRANDING para se referir a projetos de logo… O que é uma pena, pois isso não somente mostra despreparo e banaliza o mercado de branding, como também é a repetição de um comportamento aventureiro (de se fazer o que não se domina e de forma despreparada) que os designers sempre criticaram nos outros, em especial nos “micreiros”.

Não há nada de errado em um designer entrar no mercado de branding… mas o que você diria para um micreiro que quer ser designer? Provavelmente diria: “faça uma faculdade ou pós graduação, apenas ler um ou dois livros não vai resolver”

Eu digo o mesmo… faça uma das muitas pós graduações que existem hoje disponíveis e se torne um profissional de verdade.

Por favor, não seja um “micreiro do branding”

autor: Guilherme Sebastiany
fonte: Blog Sebastiany

Nota IFD: Resolvi publicar este texto de 2011 aqui no blog pois a quantidade de pessoas em grupos de Branding pelas redes sociais que publicam “OLHA O BRANDING QUE FIZ” e anexam a imagem do logotipo, vem aumentando absurdamente. Espero que ajude um pouco os mais perdidos.

Pausa para descontração…

 CUIDADO, BRANDING NÃO É DESIGN DE MARCA NEM IDENTIDADE VISUAL É GESTÃO DE MARCA!

CUIDADO, BRANDING NÃO É DESIGN DE MARCA NEM IDENTIDADE VISUAL É GESTÃO DE MARCA!

Postado em:

3 Comentários

  1. Perfeito.

    Vejo muitos designer reclamando a importância da formação e estudo para ser designer. Reclamando a quantidade de livros lidos e o feeling para a profissão. No entanto esses quando se trata de branding, assim como alguns publicitários, esquecem de suas reclamações e arriscam e investem tempo como um micreiro faz no design, eles olham alguns cases e aprendem algumas técnicas de gestão e análise e saem vendendo branding como se dominassem a área. Esses mesmos que reclamam a formação superior para o design são os que negam uma pós graduação em branding, esses que criticam quando alguém do marketing faz design, são os mesmos que como designers querem fazer marketing, ou pior, fazer branding.

    Parabéns pelo texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *