Quando o cliente não enxerga além do layout

Dúvida cruel: você está diante do cliente e o job é desenvolver o site da empresa. Mas o contratante é sem noção e tudo o que consegue ver é se o layout é bonitinho. O que fazer? Pegar ou largar?materia de Leonardo Mello

Quem participou de projetos de internet, principalmente nos últimos anos, deve ter percebido que os clientes – aqueles que compram soluções – não sabem o que exatamente é a internet e nem o significado de ter um website, por exemplo.
Isto é fato, já muito comentado.

Chega a causar espanto perceber que praticamente nada mudou nesses últimos anos. O que continua a vender os sites sob a perspectiva dos clientes é o visual. Se ele achar bonito – nem sempre funcional –, é compra quase certa (na dúvida, o preço decide). Na maioria das empresas, quem continua a lidar com as provedoras de soluções para internet é o dono e não o departamento de informática, nem o de marketing, nem qualquer outro que deva, quase uma obrigação (sadia), realmente participar ativamente das fases de planejamento e desenvolvimento do projeto (fases que também na maioria só existem na cabeça de quem escreve o projeto).

Há exceções para todos esses pontos, obviamente, mas estamos falando aqui das empresas que não estão preparadas para internet.

Assim, diante desse quadro, fica a seguinte questão: vale a pena todo o esforço em melhorar a qualidade do produto em outros aspectos que não os visuais, o layout? Vale investir em capacitação da equipe para desenvolver sistemas administráveis, com segurança, banco de dados e tudo mais? E em estudos sobre a melhor metodologia a se utilizar? Isso é válido ou quem trabalha assim está à frente do seu tempo?

É um erro querer remar contra a maré, contra as empresas que trabalham de forma medíocre (parece forte, mas é a melhor palavra), enganam os clientes ou cobram preços absurdos?

O que vale é o visual, e nada mais parece importar. Com certeza há motivos lógicos para isso, pois o layout é mais palpável que qualquer outra coisa, mas ignorar os outros aspectos é um erro.

Infelizmente, a participação dos clientes geralmente se resume a assinar contrato, pagar (momentos difíceis, hein?), aprovar layout. O resto não existe… É esperar a ligação dizendo que o site está no ar e pronto. E então, a cada novo projeto que entrega, você pensa se realmente vale o esforço de desenvolver um site com tecnologias muito boas que, se utilizadas corretamente, trariam excelentes benefícios para o cliente.

Aí vão algumas perguntas, daquelas que Peter Senge chamaria de perguntas sem intenção de obter respostas, mas feitas para reflexão: você conseguiria desenvolver uma solução com qualidade inferior (diferente de ser simples apenas) ao seu conhecimento? E, até que ponto o seu conhecimento vale para além de você?

Todas essas questões trazem algum desconforto e uma incerteza que me impulsiona a continuar nessa área, que tanto gosto e acredito. Não precisava ser fácil demais, pois não teria graça. Mas não precisava ser tão difícil… [Webinsider]

Posted in:

2 Comentários

  1. Eu acho o seguinte, as empresas chefes ou clientes realmente não têm uma visão completa do que é internet e como dito no artigo o design acaba chamando mais atenção, acho que como namúsica ou em qualquer arte esse é o nosso desafio, fazer algo “perfeito”, que combine cor layout funcionalidade etc. Vejo isso pela minha banda as vezes a melodia agrada, mas a letra não, ou as guitarras estão estranhas. Bom acho isso, infelizmente eu nem manjo muito de design, mas quero investir nisso pq estou começandfo a gostar disso. Conheci seu blog pelo webmaster online, eu vo da uma caçada aki nos lijnks que vc tem no blog e poxa se der agente tenta troka umas idéias, acho q vc tem bastante coisa que eu poderia absorver.
    Você pode me passa algum forum ou lugar onde eu possa conhecer mais designers?!?!?
    se der responde isso no meu e-mail beto@lincaut.com.br
    eu nem uso blog soh fiz um pra poder postar aqui… ehehehhe
    bom valeu mesmo!!!
    abs
    😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *