Os 8 mandamentos do web design

Se eu tivesse que atribuir o fator que mais influenciou a minha decisão em seguir uma carreira criativa foi o webdesign. Isso foi há cerca de 11 anos, antes do CSS, XHTML, Flash, tableless e PHP fazerem parte da complexa programação de sites. Naquela época, eu criava alguns sites para amigos utilizando ferramentas pré-históricas como html puro e javascript para dar alguns efeitos legais, mas que hoje são super cafonas. Para imagens, usava o Fireworks (hoje da Adobe) porque o Photoshop parecia complexo demais para mim. Tudo era simples demais, feio demais e tão leves que sites enormes caberiam em um pen-drive.

Hoje, o webdesign evoluiu tanto que eu me tornei quase leigo; se não fosse pelo WordPress e designers que desenvolvem lindos temas para ele, o Pequeno Guru não seria tão bonito assim (cof cof!). Como “quase leigo”, procuro me ater aos aspectos mais universais do design como usabilidade e estética, e deixar a criação para profissionais. Mesmo que você não seja webdesigner, mas trabalha com marketing ou tem um site pessoal, deve ter algum conhecimento nessas áreas.

Desenterrei um post antigo da BusinessWeek, porém ainda atual, com os mandamentos do web design segundo 14 especialistas de diversas áreas como: presidente da Rhode Island School of Design; diretor de design do NYTimes.com; autor do livro “The Zen of CSS Design” e outros.

1. Não abusarás do Flash

Alguns sites simplesmente não precisam de Flash. Animações e efeitos são bonitos, mas podem confundir o visitante, prejudicar o acesso a informações importantes e ser exagerado. Acredito que o segredo do Flash está em responder a pergunta: ele irá agregar ou só ficará mais bonitinho?

2. Não esconderás o conteúdo

Um dos motivos pelo qual eu sou contra propaganda no Pequeno Guru é que ela geralmente atrapalha o conteúdo. Alguns sites parecem não se importar com os seus visitantes e colocam anúncios no lugar que der mais dinheiro. O AdSense do Google é o pior deles, principalmente quando estão no meio do conteúdo, levando os visitantes a desviarem deles e, às vezes, clicando sem querer. Não há nada errado em ter anúncios no seu site, mas eles precisam estar separados do conteúdo e o mais importante de tudo: em segundo plano.

3. Serás organizado

Dependendo da quantidade de informação do seu site, estruturar bem o site é crucial. Nos 3 anos do Pequeno Guru, eu fiz algumas melhorias para tornar posts antigos mais acessíveis, mudei o sistema de busca, tirei as categorias da lateral para superior, destaquei os assuntos de cada post colocando-os logo abaixo do título e adicionei uma nuvem de temas. Categorias, posts e produtos relacionados, banners com seções especiais, mapa do site e menus em árvore são algumas das opções para ajudar o visitante a encontrar o que ele busca.

4. Não abusarás do efeito glossy

O que já foi moderno e estiloso hoje é um clichê. Cuidado!

5. Cultuarás o altar da tipografia

Houve a era dos jpegs, dos gifs animados, do javascript, do Flash e a mais recente delas é a da tipografia, designs compostos basicamente de texto, organizados de uma forma incrivelmente harmoniosa e requintada. Enfim, a tipografia conquistou um lugar importante no web design, que sempre possuiu em outros tipos de design. Percebeu-se que não é preciso de imagens para criar algo bonito e funcional. Sites como Mercado Livre, Craiglist e o blog ZenHabits são bons exemplos. O objetivo não é usar apenas texto, é usar menos imagens, criando um visual leve, como foco no conteúdo e agradável aos olhos.

6. Criarás uma experiência imersiva

Tão importante quanto o design de um site é o seu conteúdo. Sites não mais são como páginas amarelas virtuais onde telefone, endereço e produtos bastam. Bons sites criam experiências, são úteis para o visitante, fazendo ele voltar com frequência e não apenas quando precisa saber onde fica.

7. Serás sociável

Todo website que se preze já carrega ícones de redes sociais como Twitter e Facebook. Porém, mais do que pedir seguidores e fãs é preciso ser simpático e estimular a conversa. Essas ferramentas existem para aproximar pessoas, criando relações mais humanas e menos impessoais. Use-as com esse propósito em mente.

8. Usarás tecnologias conhecidas

Eis algo interessante que os especialistas sugerem. Se for utilizar ferramentas como vídeos, apresentações e fotos; opte por ferramentas já consolidadas. YouTube, SlideShare, Flickr, Wikipédia. Familiaridade é um aspecto importante da usabilidade, utilizar ferramentas que os usuários já utilizam aumentam a chance de interação, uma vez que há maiores chances deles adicionarem aos favoritos, comentarem e utilizar outros recursos de sites que já são cadastrados.

autor: Sylvio Ribeiro
fonte: http://www.pequenoguru.com.br/

Posted in:

Um comentário

  1. Este artigo está bem informativo.
    É engraçado como tanto tempo depois do boom da internet ainda existem pessoas e designers, ou que pelo menos se chamam assim, que insistem nos mesmos erros.
    Efeito glossy??? Pelo amor de deus!
    hahahaha =]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *