O que é Design de Interação

Design de Interação (DxI) é o ramo do Design da Experiência do Usuário (UX, em inglês) que esclarece o relacionamento entre as pessoas e os artefatos interativos que elas usam. Enquanto o Design de Interação tem uma firme fundamentação teórica, prática e metodológica no tradicional desenvolvimento de interface do usuário, seu foco está na definição de complexos diálogos que ocorrem entre as pessoas e seus artefatos interativos dos mais variados tipos — de computadores e dispositivos móveis até utensílios comuns.

Designers de Interação esforçam-se para criar artefatos e serviços úteis e usáveis. Seguindo os princípios fundamentais do design centrado no usuário, a prática do Design de Interação é baseada na compreensão dos usuários reais — seus objetivos, tarefas, experiências, necessidades e desejos. Aproximando design com a perspectiva centrada no usuário, embora procurando equilibrar as necessidades dos usuários com os objetivos empresariais e as capacidades tecnológicas, designers de interação oferecem soluções para os complexos desafios do design, definindo novos produtos e serviços interativos.

O sucesso dos produtos no mercado depende do design de alta qualidade, envolvendo experiências interativas. O bom Design de Interação:

* Comunica com eficácia a interatividade e funcionalidade de um sistema;
* Define comportamentos que comunicam um sistema de respostas para interações do usuário;
* Revela, simultaneamente, fluxos de trabalho simples e complexos;
* Informa os usuários sobre mudanças no sistema;
* Previne erros do usuário;

Embora designers interação muitas vezes trabalham em estreita colaboração com especialistas em design visual, arquitetura da informação, desenho industrial, pesquisa de usuários ou de usabilidade, e possam até mesmo fornecer alguns destes serviços, o seu foco principal é a definição da interatividade.

A disciplina de Design de Interação produz produtos e serviços que satisfazem necessidades específicas do usuário, objetivos empresariais e limitações técnicas. Designers de interação avançam sua disciplina através da exploração inovadora dos paradigmas do design e oportunidades tecnológicas. A medida que as capacidades dos artefatos interativos evoluem e sua complexidade aumenta, os praticantes da disciplina de Design de Interação irão desempenhar um papel cada vez mais importante no sentido de garantir que a tecnologia esteja a serviço das necessidades das pessoas.

Em resumo, Design de Interação define:

* A estrutura e o comportamento dos produtos e serviços interativos;
* As interações do usuário com estes produtos e serviços;

Então você quer ser um designer de interação?

A primeira coisa a ter em mente é que o design de interação é uma disciplina nova que ainda em definição no ambiente acadêmico. Existem poucas instituições no mundo oferecendo cursos de graduação específicos em “design de interação”, e mesmo que seus currículos partilhem semelhanças, de maneira alguma estão padronizados (o que pode muito bem ser uma boa coisa). A maioria destes e de outros cursos de graduação “relacionados a computadores”, de “Interação homem-computador” ou “novos meios” surgem tanto das escolas de arte quanto de departamentos técnicos (freqüentemente os departamentos de arquitetura ou ciência da computação) em grandes instituições, e cada qual traz sua própria história, perspectiva e preconceitos em sua abordagem de ensino.

Não existe acordo na comunidade acadêmica (embora isto, felizmente, esteja começando a mudar) sobre quais elementos fundamentais um currículo de design de interação deve ter, ou qual a abordagem de ensino deste currículo. Escolas de arte tendem a abordar o design de interação como um meio de expressão ou marca pessoal ao invés de uma abordagem de soluções na definição de produtos e problemas de usabilidade; departamentos técnicos tendem a ensinar design de interação a partir da perspectiva da exploraração e implementação de tecnologias ao invés de descobrir e focar em propósitos humanos. Cursos que enfatizam técnicas de IHC tendem a concentrar em teoria cognitiva e pesquisas com usuários, com menos ênfase em métodos e práticas de design (ex.: o processo do design). Muitos cursos de design ainda focam nas ferramentas em vez dos métodos, mas isto também está mudando.

De que forma o design de interação é diferente?

É fácil entender a confusão, já que o design de interação, enquanto disciplina, apropria-se das teorias e das técnicas do design tradicional, psicologia e outras disciplinas técnicas. Ele é uma síntese, afinal — porém mais do que uma soma de todas estas partes, tem seus próprios métodos e práticas. É também, muito mais, uma técnica de design, com uma abordagem diferente das técnicas científica e de engenharia. Numa tentativa de esclarecer isto, ofereço as seguintes definições para design de interação.

Design de Interação é uma disciplina do design dedicada a:

* Definir o comportamento de ferramentas, ambientes e sistemas (ex.: produtos).

… e, conseqüentemente, interessada em:

* Definir a forma de produtos em relação à seu comportamento e uso;
* Antecipar como o uso de produtos irá mediar as relações humanas e afetar a compreensão humana;
* Explorar o diálogo entre produtos, pessoas e contextos (físicos, culturais e históricos).

Design de Interação também é uma perspectiva que aborda o design de produtos de várias maneiras:

* De um entendimento de como e porque as pessoas desejam usá-los;
* Como apoio aos usuários e seus objetivos;
* Como conjunto, e não como um simples monte de ferramentas e atributos;
* Olhando para o futuro – vendo as coisas como elas deveriam ser e não como elas estão agora.

Dadas estas definições, designers de interação devem:

* Estudar sobre novas áreas rapidamente;
* Resolver problemas de maneira analítica e criativa;
* Estar aptos a visualizar e simplificar sistemas complexos;
* Identificar-se com os usuários, suas necessidades e aspirações;
* Entender o poder e as limitações das pessoas e da tecnologia;
* Compartilhar a paixão de tornar o mundo um lugar melhor através de soluções éticas, propositivas, práticas e elegantes.

Muitas instituições acadêmicas com cursos novos ou estabelecidos de design de interação e IHC estão começando a entender o design de interação e as qualidades e conhecimentos necessários aos designers de interação. Algumas das mais avançadas instituições são:

* Carnegie Mellon University
* Institute of Design, Illinois Institute of Technology
* North Carolina State University
* University of Art and Design Helsinki
* Virginia Commonwealth University

Outros caminhos

Mas será que você realmente precisa de um mestrado ou doutorado para praticar design de interação? Existem vantagens da prática combinada com outros cursos (em artes, negócios, humanas e ciências), obviamente. Mas algumas coisas, como em qualquer disciplina, não são facilmente ensinadas. Identificação com usuários e habilidade para conceituar soluções funcionais (e então refiná-las) são habilidades difíceis de ensinar. Na Cooper, procuramos por pessoas com estes talentos, sem levar em consideração a sua educação formal. Alguns vêm com formação de design tradicional (industrial e gráfico), mas a maioria tem uma educação eclética em humanas, tecnologia, ou ambos. Muitos tiveram experiência significativa em organizações de desenvolvimento de software, trabalhando como escritores técnicos, gerentes de projeto, suporte técnico ou ao cliente, e até mesmo programadores, onde eles criaram projetos de interação sem se preocuparem realmente se os usuários estavam sendo bem ou mal servidos pela tecnologia.

Se você está considerando o design de interação como uma possível mudança de carreira, aqui estão algumas coisas para se ter em mente:

* Designers raramente programam — se você está ligado à programação, toda a força pra você: o mundo precisa de mais programadores sensíveis ao design. No entanto, a menos que você tenha completo controle sobre seus projetos, você fará pouca diferença para seus usuários tentando projetar e programar ao mesmo tempo — é um conflito de interesses. Assim, se você não tem estômago para pensar em abandonar a programação, design de interação pode não ser para você.

* Pesquisa em usabilidade é tremendamente importante, mas não é design. A pesquisa identifica problemas mas não sugere soluções (exceto no nível mais detalhado). Você prefere antever e refinar soluções amplas e detalhadas ou fica mais à vontade extraindo fatos de uma situação conhecida? Se você optou pela segunda, então a usabilidade pode ser o melhor foco para seus interesses.

* Disposição é importante. Os melhores designers de interação que conheço são interessados em tudo e desejam (até mesmo precisam) aprofundar-se em territórios desconhecidos para aprender e absorver. Eles também se interessam muito pelas pessoas enquanto indivíduos e na condição humana em geral.

* Todo designer precisa de conhecimentos básicos; designers de interação devem estar aptos a desenhar ou escrever bem (fazer as duas coisas é raro e valioso) e precisam se comunicar de maneira excelente tanto com colegas quanto com clientes. A habilidade mais difícil de adquirir é esta combinação de percepção criativa e pensamento analítico, que é a marca do grande designer de interação.

Se algo aqui toca você, talvez você seja um designer de interação em formação. Boa sorte no seu caminho!

autor: Robert Reimann
fonte:http://www.faberludens.com.br

Posted in:

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *