Como negociar seu salário

Saiba como preparar o terreno e ter mais chances de ser bem-sucedido ao pedir um aumento a seu chefe

Se você está mesmo decidido a investir nesta empreitada que, em muitos casos, pode ser uma aventura, o primeiro passo é a preparação. Imagine entrar na sala de seu chefe, encará-lo olho no olho e começar a gaguejar? Terrível, não? Para evitar este constrangimento, planeje bem suas ações e tenha seu discurso na ponta da língua. “O texto deve estar afiado e recheado de ações cujos resultados renderam bons frutos para a empresa, bem como as responsabilidades detidas em suas mãos nos últimos tempos”, revela a consultora.

Embora pareça clichê, as variações de humor do seu chefe indicam, e muito, o quanto pode ser bem-sucedida uma conversa desse teor. Sendo assim, prefira dias menos atribulados em que ele aparente estar de bom-humor.

Segundo Gerusa, uma boa hora para conversar com seu gestor é logo depois de você ter obtido êxito em algum projeto, quando o resultado ainda está fresco na cabeça de todos. “Nestes momentos, os argumentos estão bem palpáveis. Um discurso bem fundamentado com a presença dessas ações certamente é eficiente”, explica.

Outra dica é demonstrar para seu gestor que o aumento vem como forma de reconhecimento de seu trabalho, e não apenas pela necessidade de ganhar mais. O funcionário pode colocar tudo a perder caso aponte o salário como única fonte de motivação para continuar na empresa. “As empresas apostam em funcionários que se identificam com o perfil da companhia e descartam os que só permanecem lá pela estabilidade financeira”, esclarece. Além disso, a consultora alerta: “Dizer ao seu chefe que em qualquer outra empresa estaria sendo mais bem remunerado geralmente é o mesmo que enterrar a possibilidade de receber um aumento de salário ou ter um futuro promissor.”

No momento da conversa, são boas alternativas mostrar interesse em suas tarefas e dizer o quanto sente vontade de inovar na empresa. “A motivação do funcionário e as propostas que ele pode sugerir para o crescimento da empresa comumente são ouvidas com entusiasmo”, afirma Gerusa. Esta é uma carta que o bom funcionário tem nas mãos e deve aproveitá-la.

Não é não?

Quem preparou bem o discurso deve estar ciente de que o NÃO também pode ser dito por seu chefe. O que é certo é que fica melhor na foto quem tem jogo de cintura e o aceita sem perder o rebolado, diante daquele que bate o pé e parte para ameaças veladas, como, por exemplo: “Vou buscar outras alternativas”. Segundo Gerusa, o NÃO pode ser conseqüência de uma série de fatores que nem sempre estão ligados ao desempenho do funcionário. “Em geral, as empresas reconhecem e valorizam os bons trabalhadores. Uma negativa de aumento pode refletir a existência de outras questões importantes, como o momento vivido pela empresa, por exemplo”, pontua.

É importante lembrar que a negativa também pode servir para o funcionário refletir sobre sua postura na empresa, sua posição no mercado e se é realmente ali que ele pretende continuar a investir. Além disso, pode ser uma maneira de levá-lo a descobrir que pode explorar mais seu potencial para que, em um futuro próximo, não precise ter esta conversa, mas tenha seu talento reconhecido espontaneamente por seu gestor. “A negativa não é eterna. Um NÃO dito hoje pode levar a um SIM no futuro. O importante é saber administrá-lo”, reforça a consultora.

autora: Lilian Burgardt
fonte: Universia

Posted in:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *