8 passos para inovar no trabalho





Quando ouvimos a palavra inovação, normalmente associamos a ideias, ações, desafios, aumento dos lucros entre outras palavras chavões, e acabamos esquecendo a palavra principal para que tudo isto aconteça: pessoas.

São muitas os livros e artigos que contextualizam o que é inovação, destacam os produtos e serviços inovadores. A minha intenção, aqui, é incentivar e simplificar o conceito de tal forma que todos se sintam encorajados a inovar nos seus negócios, sejam padarias, farmácias, escritórios, lavagem de carros, grandes empresas privadas ou públicas. Quero apontar para o caminho da inovação que está ao alcance de todos. Porém, para que esta mudança ocorra, devemos estar dispostos a criar um ambiente propício, onde as pessoas sejam estimuladas a darem o seu melhor e serem atuantes na construção de soluções e novas possibilidades.

Quanto ao por que inovar, creio que isto não seja mais uma dúvida. É claro, o valor gerado na capacidade da empresa se reinventar e produzir diferencias competitivos. Sendo assim, vamos entender melhor como construir um ambiente e definir um processo que possa unir pessoas na busca de inovações!

AMBIENTE PARA INOVAR

Inovar é uma questão fisiológica, está na natureza das pessoas que compõem a força de trabalho, são curiosas, têm vontade de aprender, cooperar e, principalmente, a necessidade de fazer parte de algo. Estes são os traços da grande parte dos indivíduos, presentes nas gerações “X” e “Y”. Cabe à empresa construir um ambiente onde todos se sintam à vontade para participar.

Devemos criar a cultura de ouvir as pessoas, sistematizar reuniões participativas, evitar a delegação, mas gerar a troca de experiência e opiniões. É preciso inibir a insegurança e criar mecanismos voltados para a meritocracia e o reconhecimento. Precisamos desenvolver, continuamente, a força de trabalho, oferecer novos conhecimentos e estimular a experimentação. Devemos refletir o papel dos lideres, que precisam ser engajadores natos, aqueles que fazem as pessoas assumirem riscos e desafios que sozinhas elas não seriam capazes. É necessário estarmos atentos à estrutura organizacional de trabalho, onde paredes sejam apenas a divisão física e não geográfica do trabalho, onde cargos sejam a formalização do organograma e não o nível de aprovação das ideias.

Resumindo: uma empresa deve inovar a sua forma de existir, entender que as relações criadoras de valor estão alicerçadas na confiança, na troca, na permissão ao erro e no reconhecimento.

PROCESSO DE INOVAÇÃO

É importante definir quais os objetivos pretendidos pela empresa, pois a mudança sempre envolve riscos e as recompensas nem sempre são óbvias ou instantâneas. Este processo precisa estar alinhado à estratégia da organização e ser sistematizado. Lembre-se que os resultados serão proporcionais ao ambiente de transformação oferecido.

Inovar não é somente ter ideias brilhantes, mas transformá-las em valor percebido pelo cliente com apoio do método. Sugiro iniciar de forma simples por meio deste passo a passo:

1. Escute pessoas, fornecedores e clientes: as melhores ideias têm por base a experiência na execução do processo, experiência com o produto ou serviço, conhecimento de outras práticas ou necessidades manifestadas. Agrupe estas ideias, ainda que pareçam sem propósito ou impraticáveis; certifique-se de que nenhuma contribuição foi desprezada e peça que todos colaborem!

2. Liste todas as inovações que considera possível.

3. Organize por áreas de impacto: produto, serviço, processos.

4. Avalie o grau de dificuldade para implantar a ideia.

5. Destine recursos: dinheiro, tempo, habilidade e conhecimento.

6. Indique pessoas e monte equipes multifuncionais para trabalhar as ideias.

7. Avalie os resultados por meio de indicadores.

8. Reconheça as pessoas pela participação e geração de resultados.

A inovação só terá resultados se juntamente com método e ambiente estiverem alinhadas mais quatro dimensões: pessoas (desenvolvimento e conhecimento), estratégias (objetivos), liderança (novo papel) e resultados.

O que acha de testar o quanto a sua empresa está incorporando às mudanças necessárias a criação do processo de inovação? Vamos lá agora, só depende de você ser o agente da inovação da sua organização, pois buscar resultados diferentes fazendo as mesmas coisas é irracional!

autor: Rodrigo Boehl
fonte: http://www.comunicacaoetendencias.com.br

Postado em:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *