14 coisas que jovens de vinte anos não entendem

  1. 14 coisas que jovens de vinte anos não entendem




Há uma porção de coisas que eu gostaria de saber 10 anos atrás, quando ainda estava completando meu segundo ano de faculdade, especialmente coisas profissionais. Se você tem mais de 30, pode imaginar quão bom seria poder ser o seu próprio coach do futuro. Poder dizer: “ei, não vá por aí”, “não aceite este emprego, você será infeliz”, “não diga tudo o que pensa” ou “diga o que pensa agora!, “Defenda sua ideia!”, “seja mais gentil”, “se você acha que marketing não precisa de matemática, vai quebrar a cara filho”. Como tem coisas que eu gostaria de ter sabido aos 20.

Mas agora é tarde, então se eu não posso voltar no tempo e tomar um café com a versão mais estúpida e inocente de mim, ao menos eu posso escrever para alguns milhares de jovens que leem este blog — que a propósito poderia não existir se tal café tivesse sido consumido. Fato é que muitas das coisas que aprendemos, aprendemos porque precisamos (logo nos esforçamos) enquanto outras coisas não aprendemos porque ainda não precisamos ou não temos sabedoria para reconhecer a importância para as nossas vidas. Em outras palavras, não queremos saber por ignorância. Por isso, quando somos jovens damos mais ouvidos a amigos (igualmente estúpidos) do que a chefes, pais e professores.

Motivado por um artigo da Forbes, tirei da gaveta (leia Wunderlist) uma ideia de texto anotado tempos atrás: conselhos de carreira para jovens de 20 poucos anos, conselhos que eu gostaria de ter escutado 10 anos atrás e não tive a chance ou fui burro demais para dar a devida importância. Não faça como eu, leia e reflita até sobre aqueles que não fizerem muito sentido hoje. O legal dos 20 anos é que você está livre para errar, mas isso não significa que você precise.

1. Tempo não é ilimitado

Não é porque você é jovem que pode sair desperdiçando seu tempo com bobagens, quer dizer, você pode, mas irá acontecer com a sua carreira a mesma coisa que acontece quando você deixa para estudar para uma prova na véspera, ficará sobrecarregado, nervoso e arriscará as chances de obter um bom resultado. Imagine essa fase como um estágio para as décadas seguintes, se você não aprender a planejar seu tempo agora, terá problema para o resto da sua vida.

2. Talento não é o bastante para o sucesso

Talento não o tornará trainee da Ambev, um criativo de uma grande agência, tampouco ministro de qualquer coisa. Trabalho duro e resultados sim. Um dos maiores impulsos de quando se é jovem é de se achar melhor que os outros. Humildade não se ensina na faculdade, mas você precisa aprender a ter. Talento é ótimo, mas assim como o ouro e o diamante, não vale quase nada sem um árduo tratamento. Ao longo da sua jornada, você verá muitos profissionais medíocres e elas o deixarão furiosos. Essas pessoas entregam bons resultados e transmitem confiança às empresas que é o que as companhias desejam. Talento é um motor mais potente, resultado é o combustível que permite você extrair o máximo dele.

3. O telefone ainda domina

Chefes só se lembram de funcionários que aparecem. Ninguém se lembrará do seu email diante de um momento importante, as pessoas lembram de rostos, vozes e, então, nomes, não do @vascaino23. O email é excelente para ganhar tempo, mas nem em 50 anos será mais eficiente que o telefone, assim com o telefone nunca superará o velho olho no olho (de preferência, não via Skype). O telefone ainda é uma dos mais eficientes meios de comunicação que você tem à disposição.

4. Chegue cedo e saia tarde

Talvez este seja o conselho universal entre os mais velhos. Ninguém nunca chegou longe contando os minutos para deixar o trabalho. Pode parecer bobagem e, de fato, não separa os bons dos maus funcionários, mas as empresas valorizam esse pequeno hábito de comprometimento. Você não precisa inventar o que fazer para ficar depois do horário, mas fazer hoje o que você pode deixar para amanhã provou ser uma das maneiras mais eficazes de ser reconhecido.

5. Aprenda com o seu chefe

Essa pode ser uma das coisas mais difíceis de se fazer devido à grosseria e arrogância de muitos chefes, mas são poucos os que não tem nada a ensinar para jovens em começo de carreira. Saiba que ele chegou lá por uma razão, identifique seus pontos fortes e tente absorver o máximo que conseguir.

6. Ler ainda é necessário

Goste ou não, você precisa. Saber o que está acontecendo no país, na cidade e no mercado em que atua é o requisito mínimo para ter conversas interessantes dentro e fora da empresa. Crie o hábito de ler coisas que lhe acrescente: jornais, blogs sérios, periódicos. Obs.: Não vale se vier pelo Facebook. [DICA: Leia este artigo para aprimorar sua leitura e ganhar tempo.]

Talento é um motor mais potente, resultado é o combustível que permite você extrair o máximo dele.

7. Grandes empresas não são necessariamente boas

É difícil recusar o emprego em uma grande e renomada empresa, com uma linda sede e benefícios tentadores. Mas tenha em mente que a melhor empresa é aquela com as melhores pessoas e, nem sempre, elas estão nas grandes empresas. Busque por lugares com líderes experientes que estimulam o crescimento, clima organizacional agradável que cultiva o real espírito de equipe e oportunidades baseadas na meritocracia.

8. Empresas não são boazinhas

Sempre que você pensar o quão bacana são as ações internas da sua empresa, lembre-se que ela só faz para recompensar ou motivar funcionários. Empresas são focadas no presente e, frequentemente, esquecem o que o colaborador fez no passado ou seu potencial futuro. O meu conselho é: trabalhe por você, dê o seu melhor e você será recompensado dentro ou fora da empresa. Quando achar que está na hora de mudar, mude, porque empresas não pensam duas vezes antes de fazer o mesmo.

9. Networking existe e ele pode acabar com você

Se você não conhece pessoas o suficiente na área em que atua, perderá oportunidades incríveis. Pesquisas mostram que as pessoas conseguem empregos mais através de conhecidos do que de amigos. A boa notícia é que você não precisa puxar saco, mas conhecer pessoas, estabelecer uma relação legal com elas e mostrar no que é bom, trocando alguns favores e fazendo negócios quando possível. Busque um equilíbrio entre tamanho e qualidade. Eu passei anos achando que networking era um mero jargão dos negócios até ver que as coisas aconteciam muito mais rápidas através dele.

10. Social media não é uma carreira

É uma função do marketing. É altamente recomendável que você não concentre a sua carreira em torno disso.

11. Trocar muito de emprego é perigoso

Bacana se você for bom o bastante para conseguir múltiplas ofertas de emprego, mas não é por isso que você tem que aceita-las. Gestores veem de forma altamente negativa currículos com muitos empregadores em pouco tempo, isso transmite desconfiança. Dois anos é um tempo razoável, mas não há regra. Use o bom-senso na hora de montar o currículo.

12. Mentores fazem a diferença

Infelizmente, são poucos os jovens com o privilégio de ter um mentor no começo da carreira — alguém experiente e sábio o bastante para compartilhar valiosos conselhos. Pode ser um colega mais velho, um chefe atencioso, um professor, pessoas generosas e dispostas a compartilhar com você um pouco do seu conhecimento. Essas relações geralmente duram algum tempo, mas o aprendizado fica para vida toda.

Além dos mentores, é altamente indicado que você tenha o que Seth Godin chamou de Heróis, pessoas cuja vida você admira e que esteja em uma posição aonde você quer chegar. Então, diante de uma decisão difícil, você se pergunta “o que ele faria nesta situação?”

13. Um passo atrás para dar dois a frente

Não tenha medo de mudar se parece promissor. Tenho um amigo publicitário que foi um dos mais premiados alunos da universidade, trabalhou nas melhores agências da nossa cidade natal (ganhando um bom dinheiro), fez Miami Ad School e depois de tudo isso foi ser estagiário na (ex) W/Brasil, uma das melhores agência do país. Como alguém tão experiente aceitou ser estagiário ganhando menos? A carreira tem dessas. Muitas vezes é preciso estar disposto a fazer sacrifícios como ganhar menos, trocar de área e mudar de cidade para que as coisas aconteçam.

14. Boa reputação é o seu melhor diferencial

Você não tem controle sobre a imagem que os outros constroem de você. Por isso, cuidado com o que você fala, escreve e faz no ambiente de trabalho. Ambientes corporativos são como um grande Big Brother com mais roupa. As pessoas notam quando você fofoca, assiste Porta dos Fundos às três da tarde, quanto tempo está fora da sua mesa e o olhar que dá para o chefe sempre que ele solta uma piada sem graça. Como escreveu o autor do artigo da Forbes: “a reputação é uma chave invisível que pode abrir ou fechar portas. É seu tesouro sagrado, um item que uma vez perdido, jamais é recuperado”.

autor:
fonte: Pequeno Guru

Postado em:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *